“Green” Brazil e VerdeXchange – 2015

Terminou no dia 27 em Los Angeles a Conferencia VerdeXchange que reuniu especialistas internacionais e nacionais no ramo de energias alternativas – verdes e limpas.

O subsecretario da Agencia Nacional de Águas, Mauricio Andrés Ribeiro, representou o Brasil na conferencia falando da atual crise de abastecimento que atinge os grandes centros populacionais e que poderá ter serias repercussões para a economia na medida que chega o racionamento não só de água mas também de energia.

Califórnia, por sua vez, esta’ no quarto ano de uma estiagem praticamente sem precedência. Apesar de grave, a crise vem sendo tratada de forma planejada e ha’ consenso em torno do sucesso atual de medidas de conservação. Água esta sendo tratada de forma integrada com analise de todo o ciclo de origem, transporte, distribuição e uso ate a reciclagem. Os governos locais, para reduzir e conservar, pagam proprietários (donos de casas) bons incentivos financeiros para arrancarem seus lindos gramados e substituir-los com plantas nativas que toleram a seca. Enfim estão incentivando a mudança da estética contemporânea da Califórnia, tornando o estado mais sustentável.

O congresso enfocou a apresentação de alternativas, a troca de experiências e a aprendizagem internacional. Assim as os japoneses mostraram sofisticados sistemas de mapeamento de águas no subsolo e enfatizaram o crescimento do setor clean tech apos o terremoto e tsunami de 2011. Empresas americanas demonstraram tecnologias inovadoras desde “casas inteligentes” e “carros inteligentes” ate coisas mais mundanas como novas tecnologias de aquecimento de água. Empresários canadenses apresentaram como grandes cidades estão integrando seus sistemas de fornecimento de água e energia possibilitando a dupla conservação. China, por sua vez, destacou o acordo para redução de emissões de carbono realizado entre Presidente Obama e Premier Xi. E’ a primeira vez que a China acata um acordo neste sentido.

No geral, o que podemos perceber e’ a tendência para conectividade. Sistemas computadorizadas oferecem inovações em controles de ambiente, mobilidade urbana (aplicativos específicos e empresas como Uber), veículos autônomos que transportam passageiros e estão sempre em movimento e portanto dispensam os estacionamentos. Isto aliado ao transporte de massa e transporte individual (tipo bicicleta) onde os sistemas estão interligados e facilmente disponíveis. Enfim, vislumbra-se pegar um trem bala para grandes distancias, um smart car ou um UBER para trajetos medianos e bicicletas ou outras formas para deslocamentos localizados. E tudo isto independente de derivados fosseis, ou seja, tudo com energia renovável.

O Congresso demonstrou a distancia entre a eficácia de políticas publicas e as deficiências de planejamento e execução em países como Brasil. Existem enormes potenciais que são desperdiçados ou mal aproveitados.   O desmatamento na Amazônia influencia a estiagem no centro sul já que os “rios voadores” que vinham da Amazonia já não estão desempenhando seu papel de levar chuva para os grandes centros do sudeste do pais. Ao mesmo tempo, o poder publico ainda e’ passivo com o grande desperdício de água nos sistemas de tratamento e distribuição.

E como o Brasil depende de energia hídrica para gerar eletricidade, a falta de água que vem em parte da falta de planejamento também gera impactos mais amplos que repercutem em todo sistema de produção e consumo. Um grande problema que talvez mereça um tratamento mais serio.

Enfim, o Brasil tem muito a aprender e o tempo parece curto.

Para maiores informações o site e’ www.verdexchange.org

Brazil: At the Tipping Point?

This week’s New Yorker has an interesting article entitled “Corruption and Revolt” by Patrick Radden Keefe. It discusses a journalist’s investigative and sociological work in Afghanistan. The conclusion is that members of the government siphoned much of the hundreds of billions of dollars spent in Afghanistan off in corruption schemes.

There are parallels that apply to Brazil. While Brazil no longer receives significant aid from the US, Brazil loses significant wealth to corruption every year. The UN estimates that graft and theft add an average 10 percent surcharge to doing business worldwide. Africa lost a quarter of total economic production to corruption during the 1990s. I am not aware of reliable estimates of the impact in Brazil. But it is probably between 10 and 30 percent of the GNP, especially if we take into account activities in the informal sector.

Keefe cited a formula by Robert Klitgaard of Clairemont College:
Corruption = Monopoly Power + Discretion – Accountability.

Brazil has a long-standing competitive and somewhat democratic system with competing elites. One would think that given competition, there is no monopoly power. But, one can also argue that Brazil’s traditional elites had been able to maintain a reduced elite circulation at least up until the military coup in 1964 when threatened by emerging urban and rural movements as expressed in the unions and “camponeses”. The military coup in 1964 thus guaranteed monopoly power for the accommodating traditional elite. Military government, authoritarian control and censorship all contributed to discretion during the 21 years between 1964 and 1985 when civilian government was restored. Before the coup and throughout the military governments, intervention in civil society and control of the press all inhibited accountability. Corruption thrived as a result.

Brazil’s patrimonial tradition, its colonization by the Portuguese, the weighty bureaucracy, the massive demographics of slavery and the rigidity of the class system, created a system predisposed to accommodations.

The Brazilian “jeitinho” is the most famous form of getting along and making things work. The jeitinho might be considered at best an informal work-around based on personal relationships to get things done. At worst, it could be a gateway to more nefarious and destructive habits. As long as it was limited, the jeito might be justifiable graft or lubricant to overcome bureaucratic rigidity.

But the sums involved in Brazil’s recent scandals – the Mensalao and the Petrolao –go way beyond the jeitinho. Has Brazil reached a tipping point?

Gandhi once said that “Humanity is like the ocean; if a few drops are dirty, the whole ocean does not become dirty.” Some would say that Brazil is as polluted as the plastic gyres that threaten our oceans today.

Felipe Miranda, an economic consultant, argues in a book published last year: “O Fim do Brasil” (The End of Brazil) that Brazil’s misguided populist politics have put it on a secular slide a la Argentina.

I am not so pessimistic. In spite of facing a bleak immediate future in the macroeconomic environment, Brazil’s size, resources and resilient population can make a strong come back. The PT governments have made a substantial contribution in rectifying some of Brazil’s inequality. The movement from absolute to relative poverty has unleashed a potent new lower middle class, which is just beginning to find its way.

Dilma is right in trying to promote her new theme – Patria Educadora – even if her efforts are misguided and may in the end be futile. The middle class, both the old and the new, want education and equal opportunity. It remains to be seen if those who need it can take responsibility and make it their demand and their reality.

Violence and Brazil: Je Suis Tolerant

I am not sure, but, I suppose that the Je Suis Charlie movement is heartening. Although massacres, kidnappings, disappearances, mass murders, and abuses of all kind are so routine now (and have been throughout history), it still is good to see the French reacting pacifically en masse and, in protest, against the wanton violence.

There is a lot of end of the world depressive reaction, hatred against Islamists and extreme feelings. Some say there is a “conflict of civilizations” (term borrowed from Samuel Huntington, the deceased Harvard professor) and a return to the Middle Ages with Crusaders battling the heathen over holy ground and the greatness of God.

Certainly, we should not deny the geopolitical and religious implications and the ties to the ongoing conflicts in the Middle East. Some of this has absolutely to do with colonial and historical heritages and dating back decades and centuries and even back to Abraham, Isaac and Ishmael.

Nevertheless, I would rather look at things in the context of evolving institutions, the rule of the law and the construction of man made living arrangements, which establish and regulate what we call civilization.

And, here we can talk about “Brazilian Civilization” and its nature and evolution. Certainly, Brazil is no stranger to death by gunshot. Over 50 thousand die each year violently in criminal activity and a very high proportion of these deaths are at the hands of uniformed authorities representing the “legitimate” power of the state.

Death squads versus gangs, paramilitary organizations against drug lords and petty armed criminals taking random lives of victims have all been tolerated for generations. This passivity speaks loudly and volumes about Brazil and Brazilian culture. As a society still emerging from the heritage of slavery with an intentional emphasis on ignorance and inequality, violence has been used and tolerated as a means of maintaining class position and privilege. Certain patriarchal attenuations have been in place and thus we have our racial and religious façade of harmony and equality that is so falsely presented to the rest of the world.

While we, in Brazil, may accommodate violence and death on a day-to-day basis, we still react viscerally to death at our doorstep and, by extension, to death in Paris (and other supposed centers of civilization). We are nauseous but gradually, we are awaking and demanding better institutions and even more personal responsibility to reduce our indulgence for abuse, thievery and death. In the long run, we are becoming a bit more civilized (looking inward) and rejecting some of our heritage, even, at times, at the risk of becoming politically correct (witness the condemnation of Renato Aragao and the Trapalhoes) instead of authentic. It also remains to be seen how tolerant we will be in taking up our individual civic and personal obligations in the political and social arena.

Posting from Rafael Herzberg of Interact Energy on Brazil’s Short Term Focus

Rafael is a consultant in the energy sector and, I believe, well informed.  Is his perspective here too pessimistic?

Here is the blog copied from: http://www.interact-energia.com.br/english/?p=5188

How long can Brazil stay unbalanced?

Rafael Herzberg is a partner at Interact Ltda, a Brazilian energy consulting company

For the vast majority, the official speeches pointing to the great social achievements and the preparation in progress, of changes to meet the challenges, are good enough to maintain their positive expectations.

But in real life, questionable practices continue as always in companies and public institutions. There are two in particular, untouchable and secular: the overpricing of contracts (sweet heart deals which feed the heavily entrenched corruption schemes in the Brazilian society) and the swollen payroll with cronies who keep in fact, the unquestionable support to the ongoing Government).

There is no moral reserve and even political will to change this picture. So what to expect? There are two main points, simple and devastating:

  • High Inflation
    .
    To keep this situation, the Brazilian society will be “called” to pay through a growing “inflation tax”, which need not be authorized by the Legislative, Judiciary or Executive, and is charged directly to the taxpayer.
    .
  • Loss of foreign exchange reserves
    .
    The systemic imbalances – the trade balance of the country and its budget – cost a rapid erosion of hard currency reserves. To “hold” the price of the Dollar the Government is and has been selling a daily “ration” of USD 200 Million. If this practice is kept, before the end of the current term of the newly elected Government, the country will be exposed.

The main damage arising from this unfortunate scenario is the loss of a long-term horizon for the corporate world. And so we will all be more than ever, pushed to make decisions focusing only in the short term.

The problem is that no country can become developed only looking at the short term.

Previsoes para 2015 e a Posse da Presidenta

Arriscar prever o futuro e’ divertido: com o passar do tempo podemos sorrir um pouco com os acertos e fechar a cara com os erros. O discurso da Dilma ate’ facilita pela listagem dos tópicos. Então vamos la`.

Por mais que a gente quer uma alteração de rumo, esta difícil enxergar o que pode mudar. Apesar da nova equipe econômica ter uma formação tradicional e de mercado, dificilmente vão conseguir um crescimento alem de 1 por cento em 2015. O ano, conforme a Dilma e equipe, e’ de cortes e reajustes. As nomeações políticas para as estatais também pouco prometem. Petrobras esta sob pressão do mercado, a Graça permanece, o preço de petróleo em baixo e assim vai com os demais commodities. Ate a agricultura e setor primário vão ter problemas. Dilma colocou em ultimo lugar os EUA e Europa na lista de prioridades internacionais e os BRICs e países latino americanos faltam condições próprias de sustentar as exportações brasileiras. Então previsão, inflação na meta ou acima, sem crescimento. Agricultura e a exportação de petróleo, minerais, soja e de insumos industriais tipo celulose e ferro gusa não serao suficientes para reverter o quadro. O governo precisa segurar o cambio para ajudar controlar a inflação. Já estamos próximos a 2.70 por dólar e prevejo o cambio a 3.10 ao final de dezembro de 2015.

Sem crescimento, seria natural a expectativa da volta dos protestos como tivemos em 2013. Sinceramente acredito que não. Não ha por parte da base social; sindicatos, organizações comunitárias, CEBs etc. autonomia suficiente para contestar na rua. E’ certo que podemos ter protestos locais quanto a precariedade dos serviços urbanos, especialmente transportes, mas o movimento tarifa zero não tem base fora do meio estudantil e olhe la`.

Dilma propôs educação como lema do governo. Em principio achei bacana. Todo mundo concorda que educação e’ a base de tudo. Só que a indicação do Cid Gomes como Ministro, me parece, desmente tudo. Em primeiro lugar, se e’ o lema principal por que não um ministro do PT? Não tem o quadro? Não tem a pessoa? Gomes, embora talvez tenha feito algo para educação no Ceara e’, no mínimo controvertido. Não tem partido e minha amiga, grande educadora (Adriana de Oliveira Lima) apresenta serias restrições. Mais importante, e’que Dilma disse que os recursos para o setor virão do Pré-Sal. Se a Petrobras esta em plena crise de corrupção e administração e não tem recursos para investir, como e’ que vai sair recursos no vulto da necessidade. Ainda mais com o barril de petróleo a 60 dólares e o custo de extração do Pré-Sal (em termos de custo total) próximo a esta cifra.

Falando em corrupção. A reação tradicional seria que tudo vai terminar em pizza. Não acredito. Creio que fomos alem e pessoas graúdas serão julgadas e condenadas. Entretanto, vejo também uma massa (não exatamente pizza e Dilma sancionou o Dia do Macarrão) sendo feita. Odebrecht, por exemplo, a maior empreiteira, escapou de alguma forma, de ter um executivo preso. Achei estranho. Será que tem a ver com Mariel e dinheiro em Cuba?   Quanto as outras empresas, ha gente, sim, em risco mas também ha manobras legais contestando tecnicamente a forma da Polícia Federal conduzir as investigações. Como a justiça no Brasil e’ lenta e outras coisas mais, pode ser que alguns vão escapar com condenações amenizadas e outras “premiações” a mais. Dilma prometeu para o primeiro semestre 5 medidas ou leis que o Congresso precisaria aprovar e não vejo isto acontecendo. As medidas são:

1) transformar em crime e punir com rigor os agentes públicos que enriquecem sem justificativa ou não demonstrem a origem dos seus ganhos; 2) modificar a legislação eleitoral para transformar em crime a prática de caixa 2; 3) criar uma nova espécie de ação judicial que permita o confisco dos bens adquiridos de forma ilícita ou sem comprovação; 4) alterar a legislação para agilizar o julgamento de processos envolvendo o desvio de recursos públicos; e 5) criar uma nova estrutura no Poder Judiciário que dê maior agilidade e eficiência às investigações e processos movidos contra aqueles que possuem foro privilegiado. (Fonte: discurso de posse)

O Congresso para passar tais medidas estará se ferindo na suas fontes de renda.

Os ministros escolhidos pela Dilma são de acordo com os comentaristas de sua confiança e não são mais os “olheiros” do Lula. Mas tirando a equipe econômica, não ha nenhuma indicação de mudança qualitativa nos quadros. Pela primeira vez, ministro individuais foram vaiadas pela platéia que na sua imensa maioria estava presente por gostar da Dilma. O novo Ministro de Esportes faz parte da cota evangélica mas duvido que dure ate o final do ano. Colocar o Aldo Rebelo como Ministro de Ciência e Tecnologia joga para baixo a pasta que junto com Educação seria parte do lema Pátria Educadora. Não da para entender fora de um processo precário de acomodação política.

Bom, o ano passado arrisquei previsões esportivas e me ferrei. Brasil perdeu feio. As Olimpíadas vem 2016. Para a TV será um grande sucesso. Para o Rio de Janeiro também um impulso de imagem e auto-estima mas 2015 vai ser critico em termos de andamento das obras. Vejo mais estrutura temporárias e jeitinhos. O resultado vai ser um conta grande na frente mas como na Copa a festa será ótima.

Gostaria de ver meu Galo ganhar novamente Libertadores mas não arrisco garantir.

Finalizando, mais um ano difícil como 2014 mas no fim vamos sobreviver apesar da violência, da corrupção, dos impostos em alto, das deficiências do serviço publico e de todo o rosário de coisas negativas. Enfim, as pessoas se sentem felizes por estar no Brasil.