FIFA

P1020681

BOM, SABIA QUE ALGO IRIA ACONTECER.

I KNEW SOMETHING WAS GOING TO HAPPEN

Advertisements

Memorial Day – 2015

In the US, Memorial Day represents the start of summer. It is celebrated with hamburgers and hotdogs and represent a sort of poorman’s churrasco in America.

The official holiday was established after World War I to pay homage to those who died in war.

America’s modern volunteer Army has become increasingly set apart from the rest of society.  When U.S. servicemen and women return from the nation’s numerous wars, they no longer garner much special respect even when they come back lifeless. Those living and returning suffer  suicide and illnesses, such as PTSD, at much higher rates than the general population. The Veteran’s Administration – the special government agency that is tasked with assisting returning service men and  women – has one of the poorest reputations of all public agencies in the U.S.

Brazil is fortunate in not being involved in foreign wars. But as we know, Brazil is a nation at war with itself.  It is common to hear the expression ‘civil war’ when describing urban violence in Brazil.  Other analysts state that the social contract has broken down and that the cordiality long noted as a defining characteristic of society has pretty much disappeared.

These complaints typically arise and become more strident due to particularly shocking crimes that gain notoriety in the press and on TV.  Last week, for example, a cardiologist was stabbed and died as thieves took his bicycle during his ride around Rio de Janeiro’s Rodrigo de Freitas lake, an upper class neighborhood in the favored “Zona Sul” of the city.  The assailants, one of whom was apprehended, appear to be minors from the slums that surround Rio’s wealthy neighborhoods.

The cardiologist’s murder brings into close focus Brazil’s class divide.  A well trained doctor, most likely white, with a good income, an excellent job, who was dedicated to saving lives is brutally and senselessly stabbed by young, probably black men, with few skills and training, no jobs and no future except to be hunted down and probably killed by Brazilian police or death squads. Many of these death squads are often composed of blacks and mulatos seeking a way out of circumstances often as dire as those of the assailants.  The white upper class is victimized and the response ranges from passivity to collective actions involving people coming together to celebrate a Catholic mass or some religious service.  The cardiologist’s death may give rise to neighborhood movements of solidarity and even the emergence of “white” or elite class gangs set upon revenge and “justice” outside Brazil’s creaky and ineffective legal system.   Last year, perhaps in imitation of Breaking Bad, such vigilantes nearly beat to death and left naked, locked by the neck to a post, a young black kid accused of petty theft.  The lower class, too, can also be considered “victims” as they are viewed as only “marginal” by the upper and middle class.

Of course, the whole cycle of white/black -rich/poor violence has been going on throughout Brazil’s well known and turbulent history of exploitation, slavery and revolt.  The tensions of this system were  partially attenuated and managed through patrimonial distribution of goods to those with connections and through the patriarchal support of a mentor or stepparent figure (often the state).  In a period such as the current one of rising expectations with declining ability to deliver, there is a rise in frustration and violence.  The rigidity of Brazil’s class system plus the increasing complexity of a diverse society of over 200 million no longer affords the extended personal networks of family and friends to alleviate stress except in rare exceptional cases, i.e. a middle class family supports the education of the maid’s child and he/she makes it into the university.

Brazil’s rates of violence have been among the highest in the world for a long time.  In the western hemisphere, only a few Central American countries and Venezuela have higher rates of violence.  It was to be hoped that the Worker’s Party’s support of greater equality in Brazil,  including a fairer distribution of social goods, and higher levels access to education, that violence might come down.  Rio specifically has been trying to promote “community policing” and better police interaction with citizens through the UPP (Pacification Units Program) that sought to make the favelas safer as well as the surrounding environs.  Of course, these programs are being directly questioned as to their effectiveness and many in the slums see them only as “occupying forces” who are no better than the drug gangs that the UPPs seek to replace.

Brazil made it quite successfully (except for the national team) through the World Cup last year.  It is likely to shine almost as brightly (on TV) with the Rio Olympics.  Unfortunately, the deeper problems of social conflict and inequality will not be resolved, and certainly, Dilma, Lula and the PT (Worker’s Party) no longer seem to offer a solution to the national dilemma of peace and inclusion.  Likewise, the opposition parties, in turn, provide no sensible alternative. The result is that Brazil is left adrift in search of itself, its soul and perhaps a leader.  This will no doubt lead to the renewal of the Brazilian Diaspora and the enhanced frustration and exasperation of those who stay.

Perhaps Brazil should have a memorial to the 50,000 killed yearly in violent crimes through muggings, assaults, thefts and mayhem;  together with another 50,000 killed in vehicle accidents every twelve months. BUT then again our memories are short and such ceremonies, as in the US, may only turn into moments to enjoy a beer and a burger “ou um churrasquinho”.

Blog Feedback/Comentarios

I get some feedback and comments and I think these are representative and good.

The first is from a US expat friend who has lived in Brazil since the early 70’s.  Here is what he says:

Well, yes, what should the role of government be, other than that of a corrupt enemy before one gets a cushy government job and a necessary evil after getting one?

Anyway, no one likes true change except college students, especially the ones from rich families, and the disenfranchised.

Also, is the Petrobras scandal really so shocking? Kickbacks go with the territory, right? It’s the cost of doing business.

The big PT supporters I’ve seen either drive expensive cars and work for  Petrobras or similar, or they get bolsa família or similar. A few years ago, FAB bought a few fighter planes from France. Their cost was equivalent to the total bolsa família for 18 months.

This reminds me of gringoes who hate their neighbor who gets gov. aid yet doesn’t have a clue about farm subsidies.

Two weeks ago I saw an encouraging sign that not everyone is waiting for the government to solve everything: two middle-aged women and a man were picking up all the trash in the park across from us and planting flowers. Very symbolic. There are also many volunteers for social projects/causes in the city.

Brazil is pretty screwed up, but at least it’s not very involved in interventionalism or religious terrorism.

The second comment is from Nicolas Crabbe, originally from Belgium but with over 25 years in Brazil.

Já passei da fase em que tinha uma posição ideológica quanto à propriedade dos meios de produção, sejam eles públicos ou privados. É possível dar inúmeros exemplos, só na realidade brasileira, para defender um modelo ou o outro.

Para ilustrar, apesar de o setor de telecomunicações ter atingido um nível de eficiência muito maior do que na época da Telebras, onde uma linha telefônica chegava a custar mais de US$3.000 em alguns bairros e existia uma demanda reprimida monstruosa, hoje os serviços continuam de péssima qualidade e muito caros quando comparados com outros países. Em outras palavras, se a privatização resolveu o problema do acesso, a qualidade dos serviços ainda deixa, e muito, a desejar.

Outro exemplo, a política da Sabesp nesses últimos 10 anos de privilegiar o pagamento de dividendos aos acionistas (entre os quais o Estado de São Paulo) em detrimento dos investimentos necessários para ampliar a oferta de água na Região Metropolitana da São Paulo, tem resultado na crise que estamos sofrendo há mais de um ano.

Um terceiro caso, de setor que nunca foi público mas mesmo assim explora alegremente seus clientes: a indústria automobilística, com carros de pior qualidade e muito mais caros do que em qualquer outro país do mundo (e não me venham com o argumento de que a culpa é a carga tributária: as subsidiárias brasileiras das montadoras sustentaram durante muitos anos com seus lucros o resultado mundial de vários grandes grupos – GM, Ford e VW entre eles).

Com esses exemplos não quero fazer a apologia da empresa pública nem decretar que o controle estatal é melhor que o controle privado. Só quero frisar que o fato de o capital da empresa ser privado não garante necessariamente que ela será mais eficiente nem que o consumidor será melhor atendido.

Nos casos da educação, saúde e outros bens e serviços de primeira necessidade (água, eletricidade, comunicações,…), muito mais do que a discussão sobre público ou privado, o foco deve ser nos órgãos reguladores, em metas muito bem definidas e na fiscalização efetiva. Hoje por exemplo os órgãos reguladores, Anatel, Aneel, ANA, ANS, etc., são inofensivas, quando não diretamente cooptadas pelas próprias empresas que deveriam fiscalizar.

Quanto à segurança, vejo isso como uma prerrogativa do Estado e assim deve permanecer.

A Conjuntura e os Problemas ao Longo do Tempo

Ha’ um descompasso entre o que se vê na imprensa e o que passa no dia a dia. Quem já foi noticia no jornal ou na TV sabe que por mais apurado e correto, o retrato e’ sempre um pouco, ou muito, diferente da realidade.

A esquerda no Brasil acusa o PIG ou seja o “partido da imprensa golpista”. A direita por outro lado vê o comunismo e desagregação social em toda parte e tem também seu veículos próprios. Infelizmente, um jornalismo serio e’ mais difícil de encontrar na grande mídia que tem sua dependência no poder econômico. Mas ha’ muitos comentaristas e blogs que trabalhem com seriedade.

Lendo os jornais ou vendo a TV sabemos da crise. Existem os fatos que não devemos negar como a inflação, estagnação atual da economia, e um declínio real na produção industrial.

Por outro lado, sabemos também que ter um negocio no Brasil pode ser bem lucrativo e que a atividade privada normalmente só vai durar enquanto houver lucro. E’ lógico então, preocupar-se com a taxa de falências, mas também observar a continuidade de muitos negócios ao longo dos anos. Quem costuma a empreitar já esta’ calejado e consegue driblar a crise. Então a conjuntura pode não ser boa mas também não e’ o fim do mundo.

A mesma coisa acontece na política. Dilma ganhou uma eleição apertada e esta’ tendo que ver a “vaca tossindo” apesar de suas promessas. E’ normal a oposição, e principalmente os Tucanos, chorar as magoas e se exaltar nas suas criticas. Entretanto, a Dilma esta’, por forca das circunstâncias, tendo que fazer basicamente o que Aécio prometeu fazer. Isto e’: atender as exigências do mercado ou correr o risco de cair mais a margem do sistema capitalista como estão marginalizados a Venezuela, a Argentina e em menor grau a Bolívia.

São problemas conjunturais que tem a ver com visão a longo prazo. O Brasil precisa decidir qual e’ o papel do Estado. Os setores ideologicamente mais radicais do PT e da esquerda querem que o Estado seja o guia, não só da política de alocação de recursos públicos, mas também como o dono dos meios de produção. Enfim, pautam por um socialismo. Acreditam realmente que a Petrobras, a Vale, as siderúrgicas, as usinas e todo o sistema produtivo será melhor se controlado e administrado pelo Estado. E pregam que o Estado tem a competência para fazer o Brasil crescer de forma mais justa e igualitária.

Por outro lado, existe a iniciativa privada e o controle privado dos meios de produção. Ai os proponentes reclamam da excessiva presença do governo, de seus controles e de seus impostos. Quem paga impostos trabalha metade do ano para o governo e a outra metade talvez para si. Os empresários tem que lidar com o Estado mas sabem de cabeça e de coração que o Estado não e’ um veiculo eficiente para o desenvolvimento do pais.

Historicamente, o Brasil tem se declarado capitalista e o respeito a propriedade e a iniciativa privada esta’ embutido na Constituição. Entretanto, desde a colonização portuguesa, passando pelo império e chegando ao projeto nacional desenvolmentista da pôs – guerra, o estado tem tido um peso desproporcional. Temos o paternalismo e patrimonialismo e ambos são heranças históricas. Na minha época de menino, um bom emprego era no Banco do Brasil. E ate’ hoje, os jovens aspiram a um emprego governamental.   Ao buscar recursos, bate na porta do poder publico tanto os pequenos ONGs quanto os “campeões nacionais”, que vão ao BNDES. Existe uma simbiose entre o estado e o capital privado. O problema e’ que só os grandes tem acesso real com vantagem nesta relação. Os pequenos e médios empresários pouco influem e quase nada aproveitam.

A questão e’ se esta dependência do estado e’ saudável e sustentável no Século XXI. O Presidente Lula, a contragosto de seu partido, seguiu a política de mercado do seus antecessor. O “Grande Timoneiro” deu sorte e a conjuntura na China ajudou. Ao mesmo tempo, seu governo abriu bastante o setor publico tanto através de sua expansão orgânica e normal mas também através de um “inchaço”, atendendo demandas políticas de seus partidários. Infelizmente, a maquina publica não ficou mais produtiva ou eficiente e agora com a quebra de “commodities” não ha’ como sustentar. A Presidente Dilma reconhece agora a necessidade de promover mais privatizações e de desmontar áreas da burocracia para desonerar o setor já que o governo não tem recursos e nem competência.

Ainda assim, ha a mentalidade que o estado tem que resolver as questões de segurança, saúde, educação, transportes e infra-estrutura alem de investir na produção e na abertura de empregos. Será que este e’ o caminho certo para os próximos 100 anos?

Os escândalos de corrupção refletem parcialmente o desafio da administração publica. Não ha’ garantias de que o setor privado seja menos susceptível aos malfeitos mas, em teoria pelo menos, os bens e os recursos públicos ficam preservados.

Toda sociedade contemporânea tem um misto de privado e publico. E isto ate’ em estados de partido único como a China. O Brasil também precisa encontrar seu modelo de controle da produção e de liberdade econômica e política. A gradativa resolução de problemas imediatos que são basicamente as medidas que o Levy esta implantando, não resolve a questão a longo prazo. E ai’ esta o grande problema do Brasil. Não temos consenso em torno de um modelo de estado a não ser os amplos parâmetros da democracia política. Felizmente o estado democrático tem flexibilidade suficiente para absorver crises conjunturais como agora. Entretanto, a pratica democrática por si também pode levar ao impasse na definição de políticas que definem o papel do Estado. O momento e’ de paciência na critica e na tentativa de construção.

A busca de um novo modelo e’ o que deve ser almejada ao em vez de propostas de impeachment, golpes e outros radicalismos. Ai sim teríamos um papel relevante para a oposição e a sociedade como um todo.

Brasileiros na Europa

Cadê a crise? Acabo de voltar da Europa. Notei e fiquei surpreso com a quantidade de brasileiros passeando por la. Imaginava, que com a desvalorização do real, viagens ao exterior estariam proibitivas. Mas pelo o que vi, isto não impediu que hordas de brasileiros saíssem para ver os “sights” e fazer compras. Franca, em particular Saint Malo e Mont San Michelle, estavam lotados de brasileiros, que se sentem em casa pela presença de hotéis de cadeias populares, o Carrefour, H&M e e’ claro as boutiques de moda. Isto mesmo sem a compreensão da língua.

Passei três semanas viajando pela Alemanha, Holanda, Bélgica, Franca e Suíça. Sempre um belo passeio, alem de ser um processo de aprendizagem. Com certeza a densidade histórica na Europa e’ muito diferente da das Américas. Não temos a historia e nem a tendência de preservar tão bem o passado e tudo isso apesar da Europa ter passado por duas guerras terríveis que destruíram cidades inteiras. Impressionantes são os prédios, as esculturas, as catedrais, os museus, as bibliotecas, as ruas e as relíquias históricas. Os investimentos no velho continente rendem e parecem mais bem administrados que as inversões no Brasil.

A Europa (especialmente a de língua latina) representa uma civilização mais próxima (principalmente comparando com os EUA), com noções de tempo e de espaço pessoal similares aos seus costumes. Alem disto, os brasileiros sempre se deparam com portugueses radicados ha anos fora da pátria trabalhando em hotéis, restaurantes, bares e sorveterias.

Claro que o brasileiro que viaja para o exterior pertence a classes media ou alta. Porem e’ evidente de que ha uma nova classe media que se consolidou nos últimos 20 ou 25 anos. São pessoas que conseguem fazer uma poupança e aproveitar a passagem facilitada. A classe media tradicional principalmente os mais velhos tem mais folga, muitos com ótimas pensões do governo ou das estatais (sem falar daqueles que talvez aproveitaram da onda de desperdício na Petrobras.

E’ interessante que hoje o brasileiro parece mais confiante e menos deslumbrado com o primeiro mundo. Observei ate certa sofisticação e interesse cultural, e menos barulho e caipirice característicos entre os compatriotas em Miami e Orlando.

E’ bom também ver os brasileiros expatriados. Entre estes, ha muitos com educação superior e são profissionais trabalhando como executivos, professores e empresários. Eles se integram bem na comunidade onde vivem, ainda tem interesses no Brasil e poderiam ate voltar um dia, embora na realidade já criaram raízes que impedem ou dificultam esta volta. Ha outros expatriados que oferecem apenas o trabalho pouco qualificado e neste grupo a intenção parece ser de juntar dinheiro para abrir um negocio no Brasil.

Vendo a Europa repleta de turistas brasileiros nem parece que ha crise econômica no Brasil. Enquanto isto no Rio, SP e BH, o pessoal esta chorando as magoas nos bares e restaurantes cheios. Concluo que a crise e’ relativa. Conversando com os brasileiros em viagem, vê-se uma mistura de orgulho, saudade e decepção, alem da avidez pelas compras.