The US and Brazil: Then and Now

I remember quite well the 31st of March, 1964. I had an early breakfast with the family that included prayer and Bible study. As soon as I could, I hopped on my Bianchi, followed the dirt road for 4 rough blocks to the asphalt turned right and headed for Belo Horizonte. It was pretty close to 25 miles to the capital and the pavement started just beyond the “praca” in Lagoa Santa.  Farther north, we only had dust and ruts. Passing the airbase, there was the usual military checkpoint functioning as it had sporadically for the previous year. However it was when I had gone down the hill to Vespasiano that I noted the difference. The khaki uniformed Minas Gerais Military Police were out in force and had set a roadblock. I rode casually through with no consequence. When I arrived at my friend’s bike shop in BH, the reaction was: “Are you nuts? We have a revolution.”

Little did I know that Ambassador Lincoln Gordon, a nice Kennedy liberal, had been conspiring in support of the military coup. Why do I bring up this ancient history? The only reason is that Dilma is weak like Jango. Her party is in total disarray and hardly supports her. She weaves erratically in her economic policy and winds up pleasing no one and thus further erodes her base. She, like Jango, seems lost and tossed by the events. It is never a good situation where there is a widening perception that the Captain no longer controls the ship.

I am not saying that we are headed for an unscheduled change of government. In fact, the military have little institutional authority and are not prepared to intervene today. We no longer have the Cold War and the threat of communism. Still Brazil’s internal problems have not approached a consensual solution. The political panorama is frayed and the Brazilian Congress is perhaps more venal and self-serving than it was in 1964. Brazil is no longer a domino to be tipped by the Cuban government and isn’t it great to see Raul Castro saying this week that he is going to start praying, while, at the same time, Obama basks in the Pope’s prestige. Who could have thought of a black President and an Argentine Papa? Someone is restless in the grave.

So far the high point of Dilma’s year was her visit to the US. Obama praised her and she got an opportunity to ride in Google’s driverless vehicle (guided by AI-artificial intelligence). The President declared his faith in Dilma’s righteousness and blew the right smoke with regard to Brazil’s international power and projection. No signs of a coup coming from Washington.

Obama only followed George W. who nuzzled up to Lula when he visited Brazil 10 years ago. Then, Lula and Bush agreed that they shared a common outlook on the “defense of democracy, the spread of freedom, and respect for human rights.” (Statement by President Lula on Nov. 6, 2005) At the time, Lula guaranteed he would follow the market friendly policies of his predecessor, was beginning to reap the benefits of the monetary stability and benefited from the substantial entry of dollars at  the beginning of a demand cycle for Brazilian commodities especially iron ore, soybeans, pulp and oil.   China would quickly surpass the US as Brazil’s largest trading partner to the detriment of Brazil’s industrial base and the export of manufactured goods to the US or almost anywhere in the developed world.

So over 50 years after my bike ride, Brazil has more than tripled its population, made some amazing strides in infra-structure and the economy while falling into dictatorship and then emerging with a reinvigorated social society to only wind up in another major political, social and economic crisis that hopefully this time will be solved through elections and the established institutional procedures that will build instead of tearing down.

If Brazil fails in maintaining open elections as scheduled or if the Brazilian Congress in conjunction with the Executive fail to find muddle through and there is a rupture, the blame will rest mainly on the Brazilians and not the imperialists and finance capital as many in the PT would like to believe.

Advertisements

Between a Rock and Corcovado: Doing Business in Brazil in 2015-2016

The news from Brazil is not for the weak-kneed or dreamers wanting to start an exotic endeavor. The downgrade to junk status by S&P is likely to be followed by a similar move by Fitch and Moodys. Brazil seems to be reverting to 1980 when inflation was totally out of control and even the Selecao could not quite deliver. Still, there were the beaches, the vacations (state mandated 30 days) and 13 months of salary for 11 months of work. Moreover the country somehow managed before the 2008 upgrade to investment quality.

People are asking what is going on in Brazil. They want to know if the country is still viable for business. My answer is almost always another question: What is your value added proposition that makes you unique and successful here and can we figure out if that will work in Brazil?

Of course, I will alert clients and friends to difficulties of setting up in Brazil starting with the ever changing and rolling tax increases, the complexities of the bureaucracy, the mysterious workings of customs, the high interest rates, the corrosive inflation, the paternalistic labor code and courts, the environmental rules (even if or maybe just because you are in a big city), the profit remittance requirements, the exchange rates risks and the complexity of hedging, plus a myriad of other complications. For example, while Brazilians are familiar with “certidoes negativas” (proof that you don’t owe to a certain agency), foreigners will be taken aback at how many of these pesky little documents can come up when setting up or operating a business. And, of course, if you want to get married, you need a certificate saying that you are single. Brazilians, like others, may engage in adultery but we certainly want to make sure that bigamy is off the table, at least formally.

On the positive side, Brazil has an immense economy, one that has expanded and with many new consumers who joined the market over the past decade or so. In the long term, sometimes the very long term, Brazil can be an excellent value proposition for foreign investment. Beyond that there is just the warm and fuzzy good will, the openness and the sophistication that Brazilians typically display.

The basic issue that needs to be kept in mind is: Can your business stand on its own in a down economy and also thrive and expand when things are good? Does your business have a unique selling proposition so that it can stand out and rise above the competition? There are so many areas of need in Brazil that even in an environment that threatens to take the country in the direction of the lost decade (1980’s) if you have a plan, a product and the right level of commitment, Brazil is an outstanding place. The market is there and profits are high. Almost all Fortune 500 companies are present because of this. The market is open to new ideas, new people and products. Moreover, just maybe a majority of Brazilians would rather have a state sinecure rather than engage in risk taking as entrepreneurs. Consequently, vast market areas are open to enterprising investors. Of course, coming in from the outside you need to learn the business culture and figure out how to operate in this complex environment.

Typically, foreigners are enchanted by Brazil because they feel empowered, see resources, recognize opportunities and have the perception that potential exceeds risk.   After time, this enchantment may be tempered by the Brazilian “reality” and the Brazilian cost of doing business but economic and even social entrepreneurship when rightly done can certainly still prevail. Brazil may be navigating toward some hard rocks but at least we can look up to Corcovado and the Christ Redeemer statue for hope and endurance.

Ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil

Me lembro muito bem do 7 de setembro de 1963 quando minha sobrinha, de uns 7 anos no interior de Minas, desfilou com seu grupo escolar portando a bandeira nacional com muito orgulho. Oito meses depois veio o golpe militar e a independência foi cada vez mais um meio para manipular o sentimento nacionalista. E’ interessante que continua assim, com um governo dito de esquerda, mas na realidade sem rumo, que se fecha atrás de tapumes em Brasília. Triste espetáculo para quem tem medo de governar.

Ficar a pátria livre hoje significa a manutenção da democracia. Dilma, por sua vez, se diz defensora do processo político e isso merece elogios. Mas não e’ suficiente. Em tempo de crise, alguém precisa de visão e poder de articulação e como desde 2010, ela vem perdendo legitimidade, ela não tem a capacidade de liderar uma equipe, de interagir com o Congresso e definir o por que de sua postura. Ela parece e o pais parece a mercê dos elementos. Culpa-se a crise alheia, culpa-se a seca, culpa-se a oposição mas não chega a oferecer, articular ou visualizar um caminho alternativo.  E tudo isto apesar dos votos de mais de 50 milhoes de eleitores.  Nao ha terceiro turno mas trata-se de fazer algo positivo.

Dilma esta longe de um programa socialista e do socialismo esposado nos documentos dos Petistas. Mas ela também não apóia um programa liberal do Levy ou de qualquer agente de mercado. Sem definição e sem posição, a inflação já vai para mais de 10 por cento ao ano e pega em cima dos pobres, dos assalariados e dos aposentados do setor privado. (Os aposentados pelo governo federal estão em situação bem melhor). Enfim arrebenta em cima de 80 por cento do pais. Com certeza, a gradativa percepção e eventual realização plena das perdas explica a falta de popularidade. Isso aliado a idéia que o governo não oferece uma solução ou um caminho.

Morrer pelo Brasil hoje talvez representa a falta de opções.  As perspectivas vão sumindo. Quem passou da classe sem consumo para a classe com o consumo  agora “perdido” provavelmente vai acabar se resignando ou revoltando de forma individualista as vezes com crime mas mais provável na semi clandestinidade do semi mercado informal e na volta para os jeitinhos tradicionais de sobrevivência urbana que complicam a eventual possibilidade de organização e arrumação. A organização das estrutura urbanas e arranjos sociais mais produtivos depende de um quadro formal na comunidade ou num sentido mais amplo onde a sociedade civil em organizacao consegue interagir com um governo organizado e com programas que o poder publico legitimo consegue prover e promover.  Ja que ha desconfianca, ja que nao ha sucesso, ja que a vaca vai para o brejo, o atual sistema tende a desagregar e penda para apenas o lado repressivo sem apontar o caminho para a reconstrução.  As oportunidades estao indo pelo ralo.

Comentarios sobre a Entrevista do Sociologo Portugues Boaventura de Sousa Santos

Meus comentários estão vermelho.

Entrevista longa mas levanta muitas questões. Paciência!

A entrevista foi publicado na Folha de São Paulo no domingo 30 de agosto de 2015. Republiquei a entrevista em meu blog no 1 de setembro sem comentários.

Boaventura de Sousa Santos – O mundo é demasiado vasto para que possamos ter uma idéia global de como vai a esquerda, até porque em muitas regiões do mundo as clivagens sociais e políticas são definidas em dicotomias distintas da dicotomia esquerda/direita. Por exemplo, secular/religioso, cristão/ muçulmano, hindu/muçulmano, branco/negro, etnicamente X/etnicamente Y.

Na medida em que a dicotomia está presente, a definição dos seus termos é, em parte, contextual. Nos EUA, o partido democrático é um partido de esquerda mas na Europa ou América Latina seria considerado um partido de direita. O partido comunista chinês é de esquerda? Com estas cautelas, há que começar por perguntar: o que é a esquerda?

À escala do mundo só é possível uma resposta minimalista. (Sim, concordo com o minimalismo, entretanto falta posicionar sobre a questão de propriedade) Esquerda é toda a posição política que promove todos (ou a grande maioria dos) seguintes objetivos: luta contra a desigualdade e a discriminação sociais, por via de uma articulação virtuosa entre o valor da liberdade e o valor da igualdade; defesa forte do pluralismo, tanto nos mídia como na economia, na educação e na cultura; democratização do Estado por via de valores republicanos, participação cidadã e independência das instituições, em especial, do sistema judicial; luta pela memória e pela reparação dos que sofreram (e sofrem) formas violentas de opressão; defesa de uma concepção forte de opinião pública, que expresse de modo equilibrado a diversidade de opiniões; defesa da soberania nacional e da soberania nacional de outros países; resolução pacífica dos conflitos internos e internacionais.

Se esta definição, apesar de minimalista, parecer maximalista, isso é já parte da minha resposta. Ou seja, olhando mundo à nossa volta, um mundo de concentração da riqueza a um nível sem precedentes (na realidade, o mundo nunca foi tão igual e tão pacifico), de corrupção endêmica, de racismo e de xenofobia (ambos com certeza existentes mas nunca foram tão condenados quanto hoje), de esvaziamento da democracia por via da privatização do Estado por parte de interesses poderosos, de concentração midiática (grande mídia, desconcentração nas redes sociais), de guerras internacionais e civis de alta e de baixa intensidade, não podemos deixar de concluir que um mundo assim não é um mundo cuidado pela esquerda. É, de fato, um retrato cruel da crise da esquerda. (Difícil apontar os sucessos da esquerda: Cuba?, China ?, Rússia? Venezuela? Bolívia? Chile de Allende? Portugal pôs revolução? Argentina neo peronista?

A crise de 2008 e as medidas de austeridade impulsionaram movimentos de protesto em vários países, como na Espanha e na Grécia. Há uma leitura global para isso? A esquerda soube aproveitar o tempo de crise capitalista?

As medidas de austeridade são o que fora da Europa sempre se chamou política de ajuste estrutural, uma política de que sempre foi campeão o FMI. São sempre medidas de privatização e de concentração da riqueza nacional, de redução das políticas sociais (saúde, educação, pensões etc.) e de diminuição do peso do Estado na economia e na sociedade. Tem-se chamado, a essa política, neoliberalismo. (Vale a definição mas…..)

Essa política foi seguida nos últimos 30 anos em muitas partes do mundo e, portanto, muito antes da crise de 2008. A crise de 2008 foi o resultado da desregulação do capital financeiro na década anterior. E o mais dramático foi que a crise foi ‘resolvida’ por quem a causou. Daí a situação de volatilidade financeira permanente em que nos encontramos. Na Europa, a crise de 2008 acabou por ser o pretexto para estender a política neoliberal a uma das regiões mais ricas do mundo. (Para ter políticas sociais e riqueza para pagar as políticas sociais precisa-se de geração de valor, o neo-liberal (social-democrata?) advoga geração com distribuição politicamente controlada. Quando o estado não consegue arrecadar para redistribuir e’ porque faltou geração de valor ou a geração pelo estado foi insuficiente.)

Os movimentos de protesto foram muito distintos mas tiveram, em geral, duas bandeiras: a luta contra a concentração da riqueza (os 99% contra os 1%) e pela democracia real (no caso da Primavera Árabe era luta pela democracia sem adjetivos). Essas duas bandeiras estão inscritas no DNA da esquerda. Mas, na Europa, a esquerda social-democrática (partidos socialistas e partido trabalhista inglês) tinham-se rendido há muito ao neoliberalismo através do que se chamou a terceira via, que, de fato, foi um beco sem saída. (Ok mas a esquerda não apresenta alternativa melhor? E também não explica o que e democracia real…..os países árabes nunca foram democráticos, são sociedades tribais, e nos países tradicionalmente “democráticos” o processo político esta sempre em construção.

Nessa esquerda não havia alternativa à resolução da crise financeira mesmo que tivesse havido poder para a impor. Na esquerda-à-esquerda houve novidades. Tanto na Grécia como na Espanha houve vitórias importantes, a emergência do Syriza e do Podemos. (Syriza faz aue mas não resolve, falta o poder a Podemos e ainda assim não vai mudar a questão de propriedade).

Mas o problema maior foi que a esquerda européia no seu conjunto não se deu conta de que o Banco Central Europeu e o euro tinham sido criados segundo o mais puro catecismo neoliberal. Disso resultou que as instituições européias são hoje mais neoliberais que os diferentes Estados europeus e têm um poder enorme para intervir neles, sobretudo nos mais pequenos e periféricos. (Ok, aqui me parece que esta falando do domínio do capital financeiro mas quem condena o capital financeiro e’ quem nunca fez uma industria ou talvez nem comprou uma casa. O capital financeiro pode ser abusivo e parecer fora de controle mas o que e fora de controle na realidade e o sistema político que tem a obrigação impor as regras ao capital. No Brasil, isso vincula se a reforma eleitoral e a reforma do financiamento dos políticos.

Na América Latina, houve avanços nos partidos de esquerda no início do século 21. Esse movimento continua? Parou? Há retrocesso?

Foi uma das novidades políticas mais brilhantes do século 21, num momento em que havia poucas boas notícias no mundo. Teve causas e perfis diferentes nos vários países mas, em geral, os partidos ou movimentos de esquerda chegaram ao poder na base de fortes mobilizações populares contra as políticas neoliberais. (No caso do Brasil, a esquerda de Lula teve sucesso enquanto praticava a receita social democrata e ainda favorecido pela conjuntura econômica do ciclo favorável de commodities Essa energia progressista tinha sido anunciada com muito vigor no primeiro Fórum Social Mundial em janeiro de 2001. (que reuniu talvez 15 mil pessoas em Porto Alegre segundo Wikipédia)

Os avanços consistiram, por um lado, na ampliação da classe política governante que passou a incluir membros das classes populares e dos movimentos sociais e sindicais (incluindo presidentes, no caso do Brasil, um operário; no caso da Bolívia, um indígena).  (O avanço e na realidade a institucionalização do processo eleitoral que funcionou muito bem e levou ao reino do Lula durante 8 anos e mais 8 anos incompletos da Presidente Dilma. Entretanto, o partido e governo que não soube responder a uma conjuntura interna e externa desfavorável. E a atuação do partido de “esquerda” agravou problemas estruturais e de corrupção.

E, por outro lado, em combinar a aceitação das regras impostas pela ordem econômica global com políticas sociais compensatórias (na maioria não universais) que permitiram significativa redistribuição social e que, no conjunto, foram designadas como social democracia à latino-americana. (Algumas políticas sociais de baixo custo como bolsa família, mais médicos foram bem sucedidos, outros como MCMV nem tanto e outras áreas pioraram como educação e saúde).

A ordem econômica global (ou seja a ascensão da China Mercantilista) impunha na América Latina um novo extrativismo, uma exploração sem precedentes dos recursos naturais (agricultura industrial, exploração petrolífera e mineira, megaprojetos hidrelétricos e de outras infra-estruturas) impulsionado pelo crescimento assombroso da China. (E isso de mãos dadas com o financiamento do capital financeiro do Estado, no caso do Brasil o BNDES).

O Estado acumulou recursos (tal como o sistema bancário acumulou lucros), o que permitiu uma redistribuição social significativa e uma grande ampliação do sistema educativo superior. (Sem controle de qualidade e esgotado em termos financeiros que acabou beneficiando mais empresas capitalistas de produção de diplomas) Destes dois pilares surgiu uma nova classe média ansiosa por se integrar na sociedade de consumo.(Mais importante do que as bolsas e exportação foi a estabilização monetária e relativa previsibilidade do sistema econômico/financeiro que libertou uma boa onda de empreendedorismo).

Qual sua avaliação sobre a grave crise que ocorre no Brasil? Por que a base política da presidente se erodiu tão rapidamente? Há chance de impeachment?

No momento em que o crescimento da China começou a abrandar, este modelo socioeconômico começou a colapsar. Para manter os níveis de redistribuição social seria necessário tributar os mais ricos e isso não é possível em contexto de neoliberalismo. (Bom os tributos para pobres e as vezes para ricos no Brasil são os mais abusivos, paga-se impostos e ganha muito pouco de volta em termos de infra-estrutura, saúde, educação e segurança) As novas classes médias foram integradas pelo consumo e não pela cidadania. (A política econômica optou pelas facilidade de credito e importação e menos pelo favorecimento da industria que foi esmagada em termos de exportações pelo real excessivamente e artificialmente “forte”. E pelo tipo de consumo que era próprio das velhas classes médias e altas. Não se pensou em novos tipos de consumo (transportes públicos) nem em qualificar os serviços públicos que tinham agora mais clientes mais exigentes (dos serviços de saúde às universidades). (Então erro dos governantes em alocação de recursos e desenvolvimento de políticas publicas adequadas.)

A nova classe média é tipicamente ingrata a quem lhe dá condições para ascender ao novo estatuto e tende a identificar-se com os que estão acima dela e não com os que estão abaixo. (A “nova” classe media que subiu graças a estabilidade monetária que deveria ser obrigação do governo não deve agradecimentos as elites dentro ou fora do aparato estatal).

Os que estão acima são os que sempre olharam com suspeita os governos progressistas. Além de tudo, estes governos traziam uma nova classe política feita de gente de baixo que a gente de cima, numa sociedade classista e cheia de ranço colonial, olhava e olha com desprezo e até com repugnância. (Sim ha uma herança escravocrata pesada, racismo, preconceito de classe e ranço mas ha também alternativas e aberturas como nunca antes).

Acontece que esta nova classe política, também ela própria se quis identificar com a gente de cima que sempre tinha dominado o poder político durante muitas décadas. Isto significava governar à moda antiga para atingir objetivos novos. (Sim o PT no poder se mostrou tão venal quanto qualquer outra aglomeração e as estruturas e instituições políticas tardaram em frear o alastramento da safadeza) Ou seja, tirar da governação os mesmos benefícios que a gente de cima sempre tinha tirado, quer por vias legais, quer por vias ilegais. (Para alguns parece que o fim justificou o uso de todos os meios)

Foi, em parte, por isso que nunca se fez a anunciada reforma política. Foi uma tentação fatal porque os mesmos atos de governo, os mesmos erros e as mesmas ilegalidades têm conseqüências diferentes quando são cometidos por grupos sociais diferentes. Não há hoje mais corrupção no Brasil que nos períodos anteriores; ela é apenas mais visível porque há mais interesse político em expô-la. (Pode ate ser mas precisamos de um estudo histórico comparativo e a extensão e profundidade do problema parece impar).

E não esqueçamos a dimensão externa da crise política: o interesse do ‘big brother’ em que desapareçam de cena governos nacionalistas que retiram ao mercado internacional recursos, como o Pré-Sal e a Petrobras. Está em curso na região um novo intervencionismo ‘soft’ de que iremos ter mais notícias. (Entre a ideologia nacionalista e a perspectiva do controle estatal, a PBR perdeu um bom momento quando o barril estava acima de 100 dólares e hoje esta menos de 50 o que pode talvez inviabilizar o Pré Sal)

Se houver impeachment será um enorme retrocesso para o processo democrático brasileiro, pelo menos até se provar algum ato ilegal em que a presidente esteja envolvida, o que até agora não aconteceu. (Concordamos, incompetência e incapacidade de criação e execução de políticas publicas não e motivo de impeachment).

Eleita, a presidente adotou medidas contra teses da esquerda e desagradou boa parcela de seus apoiadores nesse campo. O que Dilma deveria fazer para recompor sua base? A crise desacreditou a esquerda?

Não estamos em tempo de coerência política. Veja o caso do Syriza. A crise sempre desacreditará a esquerda enquanto esta não aprender a desacreditar a crise. Em momentos de crise, o número de bilionários continua a crescer, o que significa que a crise não é de todos e que, pelo contrário, há muitos que enriquecem com ela.

No caso do Brasil, tenho pena que a presidente não tenha avançado com a reforma política, o que implicava uma assembléia constituinte originária. (Penso que a Constituição de 1988 consagra um caminho institucional factível com adequada separação de poderes e com o papel dos 3 poderes razoavelmente bem definido. Se ha defeitos, são aqueles que protegem grupos de interesse. Mas como conclui o entrevistado, uma aposta difícil).Seria uma aposta difícil, mas era o único tema em que a sua base podia ir buscar apoios mais amplos.

Seria o começo da resolução de todos os outros problemas, num país em que o poder do proselitismo endinheirado capturou a grande sede do poder dos cidadãos, o Congresso. Sem essa reforma política não será possível uma política de esquerda sustentável. (A própria esquerda precisa criar seu próprio lugar no sol mas reconhecendo que o Brasil eh fundamentalmente um pais capitalista com um peso demasiado grande de um estado ineficiente. A esquerda tem que zelar por medidas que diminuem a desigualdade mas a desigualdade não vai cair sem um programa econômico e as bases do programa e a iniciativa privada com menos tutela do Estado).

Muitos afirmam que o real alvo dessa crise política é o ex-presidente Lula. O Sr. concorda com essa visão?

Concordo mas com mágoa. O fato de o PT precisar do regresso de Lula da Silva é a prova de que não pôde ou não soube renovar-se. O presidente Lula tem já assegurado um lugar destacado na história contemporânea
do Brasil. (O Lula representou um grande avanço para o Brasil mas também um retrocesso na medida que ele permitiu ou assistiu o partido agir totalmente fora de seus compromissos de criação. Ademais, o PT perdeu o rumo ideológico e só e socialista da boca pra fora).

Muitas análises consideram que o PT deve perder a eleição em 2018 em razão dos escândalos de corrupção e da forte recessão na economia. Qual seu ponto de vista?

Normalmente essas análises visam criar profecias auto-realizadas. A corrupção, venha donde venha, deve ser punida. A recessão econômica não é culpa do governo, tal como o boom anterior não foi criado por ele. A seu crédito está apenas o modo como o utilizou para realizar uma redistribuição social que transformou o país para sempre. (Claro que ha fatores externos mas o PT e o governo Dilma não souber reagir e os desejos eleitorais prevaleceram sobre o bom senso e as boas políticas.)

A nova classe média, que agora se mostra ingrata ao PT, não será mais leal durante muito tempo a outros governos. Para que seja leal terá de ser intimidada. (Quem vai intimidar? Quem controla o aparato de segurança ou o “uso legitimo” da forca?

Penso que se houver a curto prazo um ciclo político pós-PT, ele será dominado pela inculcação do medo que leve à resignação das classes médias e populares perante uma quebra do nível de vida que de todos modos vai ocorrer. (A desmobilização e resignação são típica e tradicionais como também são as contra-forcas de organizações sociais. Eh um jogo constante e será interessante observar se ha um papel para as chamadas mídias sociais.

Qual o futuro do PT? Alguns defendem que seria necessário refazer as alianças à esquerda para discutir um novo projeto. Estaria no horizonte a formação de um novo partido ou partidos de esquerda, como ocorreu, por exemplo, na Espanha?

Costumo dizer que os sociólogos são bons a prever o passado. As transformações a realizar são de tal ordem que a questão do PT do futuro, ou, se quiser, da esquerda do futuro, implica a questão de saber se há ou não futuro para o PT ou para a esquerda. Na Europa estamos a aprender pela via mais dolorosa que o que se não aprendeu tranquilamente em tempos de bonança tem de se aprender aos solavancos em tempos de borrasca. (Não creio que modelos que buscam maior liberdade para minorias ou maior acesso a educação, ou menor desigualdade sejam superados. O que, parece-me superado eh querer depender do estado paternal.)

Há paralelos entre o PT e o PSOE? Ou entre o PT e o partido socialista francês?

São histórias muito diferentes que enigmaticamente conduzem a presentes com fortes semelhanças. O PT nasceu de movimentos sociais de base popular com a radicalidade discursiva da esquerda-à-esquerda.

Mas com um programa moderado, reverente perante o FMI, e consistindo numa política social-democrática menos universal que a europeia, mas igualmente informada pela idéia de maximizar a justiça social permitida pelo capitalismo. (A percepção do entrevistado então e que o PT acabou sendo “social-democratica” e diria por influencia do Lula só que o PT em seus Congressos e documento aceitou essa realidade.)

O PT o PSOE e o PS francês vivem o dilema de já não existir o capitalismo em que podiam florescer. O neoliberalismo transformou a desigualdade social e o individualismo em suprema virtude (o empreendedorismo) e não se sente ameaçado por nenhuma força social que o obrigue a agir de outro modo. (Qual e a base da ação coletiva? O individualismo existe e na modernidade a tendência e a afirmação do individuo. Embora, ha controles e os mais individualista são ou elogiados ou condenados. Mas o capitalismo precisa do empreendedor da mesma forma que o socialismo depende do grande líder, i.e. Fidel, Mao, Stalin).

Na Grécia, o Syriza venceu as eleições, o plebiscito, mas acabou cedendo à troica. Quais os reflexos em outros partidos de esquerda? Eles podem ficar desacreditados com a idéia de que não conseguem levar adiante uma alternativa?

O que se passa na Grécia é um desafio total à imaginação política, particularmente à de esquerda. Nas próximas eleições (20 de setembro) o Syriza vai a votos com um programa que é o oposto do aprovado no último congresso do partido. É um programa de austeridade e não de anti-austeridade e é a tradução em grego do memorandum da troika.

Os dissidentes do Syriza criaram um novo partido que vai a votos com o antigo programa do Syriza, acrescentado da proposta da saída do euro e regresso ao dracma. É provável que o Syriza ganhe as eleições. [Alexis] Tsipras pensa mesmo na maioria absoluta, para o que lhe basta ter (segundo o sistema eleitoral grego) cerca de 40% dos votos.

Será imaginável uma aliança pós-eleitoral entre o Syriza e os dissidentes do Syriza? Decididamente a realidade política corre hoje muito mais rápido que a análise política, pelo menos na Europa.

Na Espanha, o Podemos surgiu com uma nova força. O partido é uma referência para o movimento de esquerda no mundo de hoje? Por quê?

O Podemos é o partido que na Europa melhor interpretou a crise da democracia esvaziada de cidadania e ocupada por antidemocratas, plutocratas (detentores de dinheiro) e até cleptocratas (ladrões). Fê-lo trazendo para a política os cidadãos que a teoria política (e a esquerda em particular) considerava despolitizados porque não participantes nem em movimentos sociais nem em partidos.

Ora, a grande maioria da população não participa nem nuns nem noutros. E, por vezes, nem sequer vota. Mas isso não significa que não acompanhe a política nacional e não se revolte com a injustiça e a corrupção. Só não vê meios credíveis e eficazes para participar. O Podemos ofereceu-lhe esse meio. (E no Brasil? Não ha Podemos?)

O que o Podemos tem de diferente em relação a partidos de esquerda tradicionais? Como ele deve ser definido? É de esquerda, de centro-esquerda, moderado?

O Podemos é até agora a melhor formulação do que pode ser a esquerda no século 21. Tem de passar por uma reinvenção da esquerda. Esse objetivo faz com que o Podemos nem sequer se reveja na dicotomia esquerda/direita tal como está a esquerda hoje. Mas sabe bem o que é a direita e sabe que a direita está bem porque está no poder e porque tem a seu favor o capitalismo financeiro mundial –o que lhe dá um capital de confiança que nenhum grupo social lhe poderia dar. (O que e a direita? Todo mundo que esta cansado da falta de idéias e sucesso da esquerda?) Nem sequer a burguesia nacional, se é que esse conceito ainda hoje tem validade, dada a internacionalização profunda do capitalismo. (Quem e a burguesia nacional no Brasil? Abílio Diniz do Pão de Açúcar?)

Podemos é o primeiro partido a assumir o que muitos teóricos (eu próprio incluído) defenderam: para levar a sério a articulação entre democracia representativa e democracia participativa, os partidos de esquerda têm de a adotar no seu seio. (A democracia participativa eh uma bandeira antiga mas nunca foi bem institucionalizada nem ao nível do partido e muito menos em termos amplos como comunidades, bairros, cidades, etc. Não ha a tradição de partido único guiando a participação no Brasil.)

A escolha dos programas e dos candidatos tem de ser feita pelos mecanismos de democracia participativa, pelos cidadãos organizados em círculos temáticos ou regionais. Quem ainda se lembra do orçamento participativo de Porto Alegre sabe o que isso é. Foi, aliás, aqui que o Podemos bebeu a inspiração. (Não deixe de ser irônico que Rio Grande do Sul e’ tido como a Grécia do Brasil).

O Podemos poderá unificar as esquerdas na Espanha? Quais são os obstáculos para que isso ocorra? E a Esquerda Unida?

Dificilmente, ainda que algum progresso interessante esteja a ser feito neste domínio ao nível das regiões autônomas. Podemos tem feito um esforço notável para essa unificação, o que nem sempre é fácil por ser “a força de câmbio” e não querer perder a sua identidade no meio de outras (velhas) esquerdas. É ainda muito grande o peso da história na esquerda européia e há muito individualismo egocêntrico disfarçado de diferença política. (Gostei do reconhecimento do individualismo egocêntrico também de esquerda face a discussão de individualismo capitalista acima).

A Esquerda Unida saiu derrotada das últimas eleições e busca reconstruir-se numa nova frente popular. Tem um jovem líder que podia estar no Podemos e a quem, aliás, Pablo Iglesias propôs que integrasse a sua lista de candidatos. O aparelho do partido é velho e não responde ao anseio de renovação do seu líder. Mas a Esquerda Unida tem na base muitos quadros que podiam ser preciosos para a implantação sustentável do Podemos.

Quais as semelhanças e diferenças entre o Podemos e o Syriza?

O Podemos é uma emergência dos movimentos dos indignados enquanto o Syriza tem raízes na esquerda mais tradicional. O Syriza nunca ousaria problematizar se é ou não de esquerda. Mas ambos são o resultado de uma conglomeração de forças políticas e movimentos sociais. Ambos viram bem a ameaça do neoliberalismo na Europa e ambos estão a mostrar grande flexibilidade.

Até onde pode ir essa flexibilidade é uma incógnita. Por agora, o Podemos não vai mais longe do que se abrir a uma coligação com o PSOE. Penso que nunca iria tão longe quanto o Syriza na aceitação da austeridade européia, não só porque a situação na Espanha é muito diferente da grega, como, sobretudo, porque os círculos de cidadãos não permitiriam.

Um desgaste maior do Syriza poderia atingir o Podemos?

Sim. Não diretamente, mas através do peso que terá na opinião pública uma eventual derrota incondicional do Syriza. O objetivo das instituições européias é liquidar qualquer hipótese de contestação à política de austeridade. Se o Podemos se sair bem nas próximas eleições significará que os cidadãos não se estão a deixar intimidar pela ortodoxia de Bruxelas. (Mas com desemprego acima de 25% na Espanha, a esquerda fica sem programa e perspectiva.)

*Desde a queda do Muro de Berlin (antes, talvez), as esquerdas no mundo parecem desnorteadas. O Sr. concorda com essa afirmação? Como explicar esse processo? Ele está sendo modificado agora? As esquerdas
estão perdendo uma oportunidade histórica?*

Ao longo do século passado, a esquerda foi constituída pela crença de que havia uma alternativa ao capitalismo. Todas as divisões dentro da esquerda (revolução/reformismo, luta armada/luta pacifica, comunismo/socialismo democrático) partiram da possibilidade dessa alternativa.

Quando, a partir da década de 1960, a social-democracia abandonou a idéia de alternativa ao capitalismo, a sua política passou a centrar-se na idéia de regulação e tributação do capitalismo para permitir a paz social e garantir a justiça social possível através do estado de bem-estar. (E também esta sendo questionado hoje mas ainda funciona na Alemanha da Ângela e ate na Franca do Hollande).

A existência do Bloco de Leste fez com que o capitalismo aceitasse o compromisso. Findo o Bloco, não havia mais razões para aceitar limitações tão drásticas à remuneração do capital. A queda de Muro de Berlim não foi apenas o fim do comunismo. Foi também o fim da social-democracia.

Em debate na Espanha, o Sr. falou de um movimento ainda embrionário em Portugal. O que ocorre?

Está em curso uma reorganização das forças de esquerda que eventualmente só dará frutos daqui a vários anos. No presente período eleitoral (eleições em 4 de outubro) serão todas punidas (incluindo eventualmente o PS) com a possível exceção do Partido Comunista Português, que tem um eleitorado leal e absorve como nenhum outro o voto de protesto contra a injustiça social.

A punição da esquerda deve-se a três fatores: o PS não se propõe realizar uma política muito diferente da seguida pela coligação de direita no poder; a esquerda-à-esquerda está, por agora, mais dividida que nunca; o governo e as instituições europeias conseguiram convencer os portugueses de que o pior já passou e que a política de austeridade deu certo.

Por agora, Portugal é um caso de sucesso. Sobre o que virá depois das eleições nada se diz.

Entrevista com Boaventura de Souza Santos

Publicado originalmente na Folha de Sao Paulo no 30 de agosto de 2015.  Volto a comentar.

Folha: Como vai a esquerda pelo mundo?  Esta’ em avanco ou retrocesso?

Boaventura de Sousa Santos – O mundo é demasiado vasto para que possamos ter uma ideia global de como vai a esquerda, até porque em muitas regiões do mundo as clivagens sociais e políticas são definidas em dicotomias distintas da dicotomia esquerda/direita. Por exemplo, secular/religioso, cristão/ muçulmano, hindu/muçulmano, branco/negro, etnicamente X/etnicamente Y.

Na medida em que a dicotomia está presente, a definição dos seus termos é, em parte, contextual. Nos EUA, o partido democrático é um partido de esquerda mas na Europa ou América Latina seria considerado um partido de direita. O partido comunista chinês é de esquerda? Com estas cautelas, há que começar por perguntar: o que é a esquerda?

À escala do mundo só é possível uma resposta minimalista. Esquerda é toda a posição política que promove todos (ou a grande maioria dos) seguintes objetivos: luta contra a desigualdade e a discriminação sociais, por via de uma articulação virtuosa entre o valor da liberdade e o valor da igualdade; defesa forte do pluralismo, tanto nos mídia como na economia, na educação e na cultura; democratização do Estado por via de valores republicanos, participação cidadã e independência das instituições, em especial, do sistema judicial; luta pela memória e pela reparação dos que sofreram (e sofrem) formas violentas de opressão; defesa de uma concepção forte de opinião pública, que expresse de modo equilibrado a diversidade de opiniões; defesa da soberania nacional e da soberania nacional de outros países; resolução pacífica dos conflitos internos e internacionais.

Se esta definição, apesar de minimalista, parecer maximalista, isso é já parte da minha resposta. Ou seja, olhando mundo à nossa volta, um mundo de concentração da riqueza a um nível sem precedentes, de corrução endémica, de racismo e de xenofobia, de esvaziamento da democracia por via da privatização do Estado por parte de interesses poderosos, de concentração midiática, de guerras internacionais e civis de alta e de baixa intensidade, não podemos deixar de concluir que um mundo assim não é um mundo cuidado pela esquerda. É, de fato, um retrato cruel da crise da esquerda.

A crise de 2008 e as medidas de austeridade impulsionaram movimentos de protesto em vários países, como na Espanha e na Grécia. Há uma leitura global para isso? A esquerda soube aproveitar o tempo de crise capitalista?

As medidas de austeridade são o que fora da Europa sempre se chamou política de ajuste estrutural, uma política de que sempre foi campeão o FMI. São sempre medidas de privatização e de concentração da riqueza nacional, de redução das políticas sociais (saúde, educação, pensões etc.) e de diminuição do peso do Estado na economia e na sociedade. Tem-se chamado, a essa política, neoliberalismo.

Essa política foi seguida nos últimos 30 anos em muitas partes do mundo e, portanto, muito antes da crise de 2008. A crise de 2008 foi o resultado da desregulação do capital financeiro na década anterior. E o mais dramático foi que a crise foi ‘resolvida’ por quem a causou. Daí a situação de volatilidade financeira permanente em que nos encontramos. Na Europa, a crise de 2008 acabou por ser o pretexto para estender a política neoliberal a uma das regiões mais ricas do mundo.

Os movimentos de protesto foram muito distintos mas tiveram, em geral, duas bandeiras: a luta contra a concentração da riqueza (os 99% contra os 1%) e pela democracia real (no caso da Primavera Árabe era luta pela democracia sem adjetivos). Essas duas bandeiras estão inscritas no DNA da esquerda. Mas, na Europa, a esquerda social-democrática (partidos socialistas e partido trabalhista inglês) tinham-se rendido há muito ao neoliberalismo através do que se chamou a terceira via, que, de fato, foi um beco sem saída.

Nessa esquerda não havia alternativa à resolução da crise financeira mesmo que tivesse havido poder para a impor. Na esquerda-à-esquerda houve novidades. Tanto na Grécia como na Espanha houve vitórias importantes, a emergência do Syriza e do Podemos.

Mas o problema maior foi que a esquerda europeia no seu conjunto não se deu conta de que o Banco Central Europeu e o euro tinham sido criados segundo o mais puro catecismo neoliberal. Disso resultou que as instituições europeias são hoje mais neoliberais que os diferentes Estados europeus e têm um poder enorme para intervir neles, sobretudo nos mais pequenos e periféricos.

Na América Latina, houve avanços nos partidos de esquerda no início do século 21. Esse movimento continua? Parou? Há retrocesso?

Foi uma das novidades políticas mais brilhantes do século 21, num momento em que havia poucas boas notícias no mundo. Teve causas e perfis diferentes nos vários países mas, em geral, os partidos ou movimentos de esquerda chegaram ao poder na base de fortes mobilizações populares contra as políticas neoliberais. Essa energia progressista tinha sido anunciada com muito vigor no primeiro Fórum Social Mundial em janeiro de 2001.

Os avanços consistiram, por um lado, na ampliação da classe política governante que passou a incluir membros das classes populares e dos movimentos sociais e sindicais (incluindo presidentes, no caso do Brasil, um operário; no caso da Bolívia, um indígena).

E, por outro lado, em combinar a aceitação das regras impostas pela ordem econômica global com políticas sociais compensatórias (na maioria não universais) que permitiram significativa redistribuição social e que, no conjunto, foram designadas como social democracia à latino-americana.

A ordem econômica global impunha na América Latina um novo extrativismo, uma exploração sem precedentes dos recursos naturais (agricultura industrial, exploração petrolífera e mineira, megaprojetos hidrelétricos e de outras infraestruturas) impulsionado pelo crescimento assombroso da China.

O Estado acumulou recursos (tal como o sistema bancário acumulou lucros), o que permitiu uma redistribuição social significativa e uma grande ampliação do sistema educativo superior. Destes dois pilares surgiu uma nova classe média ansiosa por se integrar na sociedade de consumo.

Qual sua avaliação sobre a grave crise que ocorre no Brasil? Por que a base política da presidente se erodiu tão rapidamente? Há chance de impeachment?

No momento em que o crescimento da China começou a abrandar, este modelo socioeconómico começou a colapsar. Para manter os níveis de redistribuição social seria necessário tributar os mais ricos e isso não é possível em contexto de neoliberalismo. As novas classes médias foram integradas pelo consumo e não pela cidadania.

E pelo tipo de consumo que era próprio das velhas classes médias e altas. Não se pensou em novos tipos de consumo (transportes públicos) nem em qualificar os serviços públicos que tinham agora mais clientes mais exigentes (dos serviços de saúde às universidades).

A nova classe média é tipicamente ingrata a quem lhe dá condições para ascender ao novo estatuto e tende a identificar-se com os que estão acima dela e não com os que estão abaixo.

Os que estão acima são os que sempre olharam com suspeita os governos progressistas. Além de tudo, estes governos traziam uma nova classe política feita de gente de baixo que a gente de cima, numa sociedade classista e cheia de ranço colonial, olhava e olha com desprezo e até com repugnância.

Acontece que esta nova classe política, também ela própria se quis identificar com a gente de cima que sempre tinha dominado o poder político durante muitas décadas. Isto significava governar à moda antiga para atingir objetivos novos. Ou seja, tirar da governação os mesmos benefícios que a gente de cima sempre tinha tirado, quer por vias legais, quer por vias ilegais.

Foi, em parte, por isso que nunca se fez a anunciada reforma política. Foi uma tentação fatal porque os mesmos atos de governo, os mesmos erros e as mesmas ilegalidades têm consequências diferentes quando são cometidos por grupos sociais diferentes. Não há hoje mais corrução no Brasil que nos períodos anteriores; ela é apenas mais visível porque há mais interesse político em expô-la.

E não esqueçamos a dimensão externa da crise política: o interesse do ‘big brother’ em que desapareçam de cena governos nacionalistas que retiram ao mercado internacional recursos, como o Pré-Sal e a Petrobras. Está em curso na região um novo intervencionismo ‘soft’ de que iremos ter mais notícias.

Se houver impeachment será um enorme retrocesso para o processo democrático brasileiro, pelo menos até se provar algum ato ilegal em que a presidente esteja envolvida, o que até agora não aconteceu.

Eleita, a presidente adotou medidas contra teses da esquerda e desagradou boa parcela de seus apoiadores nesse campo. O que Dilma deveria fazer para recompor sua base? A crise desacreditou a esquerda?

Não estamos em tempo de coerência política. Veja o caso do Syriza. A crise sempre desacreditará a esquerda enquanto esta não aprender a desacreditar a crise. Em momentos de crise, o número de bilionários continua a crescer, o que significa que a crise não é de todos e que, pelo contrário, há muitos que enriquecem com ela.

No caso do Brasil, tenho pena que a presidente não tenha avançado com a reforma política, o que implicava uma assembleia constituinte originária. Seria uma aposta difícil, mas era o único tema em que a sua base podia ir buscar apoios mais amplos.

Seria o começo da resolução de todos os outros problemas, num país em que o poder do proselitismo endinheirado capturou a grande sede do poder dos cidadãos, o Congresso. Sem essa reforma política não será possível uma política de esquerda sustentável.

Muitos afirmam que o real alvo dessa crise política é o ex-presidente Lula. O sr. concorda com essa visão?

Concordo mas com mágoa. O fato de o PT precisar do regresso de Lula da Silva é a prova de que não pôde ou não soube renovar-se. O presidente Lula tem já assegurado um lugar destacado na história contemporânea
do Brasil.

Muitas análises consideram que o PT deve perder a eleição em 2018 em razão dos escândalos de corrupção e da forte recessão na economia. Qual seu ponto de vista?

Normalmente essas análises visam criar profecias auto-realizadas. A corrupção, venha donde venha, deve ser punida. A recessão econômica não é culpa do governo, tal como o boom anterior não foi criado por ele. A seu crédito está apenas o modo como o utilizou para realizar uma redistribuição social que transformou o país para sempre.

A nova classe média, que agora se mostra ingrata ao PT, não será mais leal durante muito tempo a outros governos. Para que seja leal terá de ser intimidada.

Penso que se houver a curto prazo um ciclo político pós-PT, ele será dominado pela inculcação do medo que leve à resignação das classes médias e populares perante uma quebra do nível de vida que de todos modos vai ocorrer.

Qual o futuro do PT? Alguns defendem que seria necessário refazer as alianças à esquerda para discutir um novo projeto. Estaria no horizonte a formação de um novo partido ou partidos de esquerda, como ocorreu, por exemplo, na Espanha?

Costumo dizer que os sociólogos são bons a prever o passado. As transformações a realizar são de tal ordem que a questão do PT do futuro, ou, se quiser, da esquerda do futuro, implica a questão de saber se há ou não futuro para o PT ou para a esquerda. Na Europa estamos a aprender pela via mais dolorosa que o que se não aprendeu tranquilamente em tempos de bonança tem de se aprender aos solavancos em tempos de borrasca.

Há paralelos entre o PT e o PSOE? Ou entre o PT e o partido socialista francês?

São histórias muito diferentes que enigmaticamente conduzem a presentes com fortes semelhanças. O PT nasceu de movimentos sociais de base popular com a radicalidade discursiva da esquerda-à-esquerda.

Mas com um programa moderado, reverente perante o FMI, e consistindo numa política social-democrática menos universal que a europeia, mas igualmente informada pela ideia de maximizar a justiça social permitida pelo capitalismo.

O PT o PSOE e o PS francês vivem o dilema de já não existir o capitalismo em que podiam florescer. O neoliberalismo transformou a desigualdade social e o individualismo em suprema virtude (o empreendedorismo) e não se sente ameaçado por nenhuma força social que o obrigue a agir de outro modo.

Na Grécia, o Syriza venceu as eleições, o plebiscito, mas acabou cedendo à troica. Quais os reflexos em outros partidos de esquerda? Eles podem ficar desacreditados com a ideia de que não conseguem levar adiante uma alternativa?

O que se passa na Grécia é um desafio total à imaginação política, particularmente à de esquerda. Nas próximas eleições (20 de setembro) o Syriza vai a votos com um programa que é o oposto do aprovado no último congresso do partido. É um programa de austeridade e não de anti-austeridade e é a tradução em grego do memorandum da troika.

Os dissidentes do Syriza criaram um novo partido que vai a votos com o antigo programa do Syriza, acrescentado da proposta da saída do euro e regresso ao dracma. É provável que o Syriza ganhe as eleições. [Alexis] Tsipras pensa mesmo na maioria absoluta, para o que lhe basta ter (segundo o sistema eleitoral grego) cerca de 40% dos votos.

Será imaginável uma aliança pós-eleitoral entre o Syriza e os dissidentes do Syriza? Decididamente a realidade política corre hoje muito mais rápido que a análise política, pelo menos na Europa.

Na Espanha, o Podemos surgiu com uma nova força. O partido é uma referência para o movimento de esquerda no mundo de hoje? Por quê?

O Podemos é o partido que na Europa melhor interpretou a crise da democracia esvaziada de cidadania e ocupada por antidemocratas, plutocratas (detentores de dinheiro) e até cleptocratas (ladrões). Fê-lo trazendo para a política os cidadãos que a teoria política (e a esquerda em particular) considerava despolitizados porque não participantes nem em movimentos sociais nem em partidos.

Ora, a grande maioria da população não participa nem nuns nem noutros. E, por vezes, nem sequer vota. Mas isso não significa que não acompanhe a política nacional e não se revolte com a injustiça e a corrupção. Só não vê meios credíveis e eficazes para participar. O Podemos ofereceu-lhe esse meio.

O que o Podemos tem de diferente em relação a partidos de esquerda tradicionais? Como ele deve ser definido? É de esquerda, de centro-esquerda, moderado?

O Podemos é até agora a melhor formulação do que pode ser a esquerda no século 21. Tem de passar por uma reinvenção da esquerda. Esse objetivo faz com que o Podemos nem sequer se reveja na dicotomia esquerda/direita tal como está a esquerda hoje. Mas sabe bem o que é a direita e sabe que a direita está bem porque está no poder e porque tem a seu favor o capitalismo financeiro mundial –o que lhe dá um capital de confiança que nenhum grupo social lhe poderia dar. Nem sequer a burguesia nacional, se é que esse conceito ainda hoje tem validade, dada a internacionalização profunda do capitalismo.

Podemos é o primeiro partido a assumir o que muitos teóricos (eu próprio incluído) defenderam: para levar a sério a articulação entre democracia representativa e democracia participativa, os partidos de esquerda têm de a adotar no seu seio.

A escolha dos programas e dos candidatos tem de ser feita pelos mecanismos de democracia participativa, pelos cidadãos organizados em círculos temáticos ou regionais. Quem ainda se lembra do orçamento participativo de Porto Alegre sabe o que isso é. Foi, aliás, aqui que o Podemos bebeu a inspiração.

O Podemos poderá unificar as esquerdas na Espanha? Quais são os obstáculos para que isso ocorra? E a Esquerda Unida?

Dificilmente, ainda que algum progresso interessante esteja a ser feito neste domínio ao nível das regiões autônomas. Podemos tem feito um esforço notável para essa unificação, o que nem sempre é fácil por ser “a força de câmbio” e não querer perder a sua identidade no meio de outras (velhas) esquerdas. É ainda muito grande o peso da história na esquerda europeia e há muito individualismo egocêntrico disfarçado de diferença política.

A Esquerda Unida saiu derrotada das últimas eleições e busca reconstruir-se numa nova frente popular. Tem um jovem líder que podia estar no Podemos e a quem, aliás, Pablo Iglesias propôs que integrasse a sua lista de candidatos. O aparelho do partido é velho e não responde ao anseio de renovação do seu líder. Mas a Esquerda Unida tem na base muitos quadros que podiam ser preciosos para a implantação sustentável do Podemos.

Quais as semelhanças e diferenças entre o Podemos e o Syriza?

O Podemos é uma emergência dos movimentos dos indignados enquanto o Syriza tem raízes na esquerda mais tradicional. O Syriza nunca ousaria problematizar se é ou não de esquerda. Mas ambos são o resultado de uma conglomeração de forças políticas e movimentos sociais. Ambos viram bem a ameaça do neoliberalismo na Europa e ambos estão a mostrar grande flexibilidade.

Até onde pode ir essa flexibilidade é uma incógnita. Por agora, o Podemos não vai mais longe do que se abrir a uma coligação com o PSOE. Penso que nunca iria tão longe quanto o Syriza na aceitação da austeridade europeia, não só porque a situação na Espanha é muito diferente da grega, como, sobretudo, porque os círculos de cidadãos não permitiriam.

Um desgaste maior do Syriza poderia atingir o Podemos?

Sim. Não diretamente, mas através do peso que terá na opinião pública uma eventual derrota incondicional do Syriza. O objetivo das instituições europeias é liquidar qualquer hipótese de contestação à política de austeridade. Se o Podemos se sair bem nas próximas eleições significará que os cidadãos não se estão a deixar intimidar pela ortodoxia de Bruxelas.

*Desde a queda do Muro de Berlin (antes, talvez), as esquerdas no mundo parecem desnorteadas. O sr. concorda com essa afirmação? Como explicar esse processo? Ele está sendo modificado agora? As esquerdas
estão perdendo uma oportunidade histórica?*

Ao longo do século passado, a esquerda foi constituída pela crença de que havia uma alternativa ao capitalismo. Todas as divisões dentro da esquerda (revolução/reformismo, luta armada/luta pacifica, comunismo/socialismo democrático) partiram da possibilidade dessa alternativa.

Quando, a partir da década de 1960, a social-democracia abandonou a ideia de alternativa ao capitalismo, a sua política passou a centrar-se na ideia de regulação e tributação do capitalismo para permitir a paz social e garantir a justiça social possível através do estado de bem-estar.

A existência do Bloco de Leste fez com que o capitalismo aceitasse o compromisso. Findo o Bloco, não havia mais razões para aceitar limitações tão drásticas à remuneração do capital. A queda de Muro de Berlim não foi apenas o fim do comunismo. Foi também o fim da social-democracia.

Em debate na Espanha, o sr. falou de um movimento ainda embrionário em Portugal. O que ocorre?

Está em curso uma reorganização das forças de esquerda que eventualmente só dará frutos daqui a vários anos. No presente período eleitoral (eleições em 4 de outubro) serão todas punidas (incluindo eventualmente o PS) com a possível exceção do Partido Comunista Português, que tem um eleitorado leal e absorve como nenhum outro o voto de protesto contra a injustiça social.

A punição da esquerda deve-se a três fatores: o PS não se propõe realizar uma política muito diferente da seguida pela coligação de direita no poder; a esquerda-à-esquerda está, por agora, mais dividida que nunca; o governo e as instituições europeias conseguiram convencer os portugueses de que o pior já passou e que a política de austeridade deu certo.

Por agora, Portugal é um caso de sucesso. Sobre o que virá depois das eleições nada se d