From Merco Press on Venezuela

Resultado do Imperialismo ou falta de compreensao de como promover um projeto de “esquerda”?

Maduro Desperately Selling Assets to Pay US$ 3.7bn in Debts

March 24, 2017

Source: MercoPress

In an effort to handle its overdue debts, Venezuela is all but giving away oil assets. President Nicolás Maduro is reportedly so desperate to pay the US$ 3.7 billion in debts that he is selling off the assets to Russia.

They offered to sell Russia a share of PetroPiar, which is 30% owned by Chevron and which PDVSA has a 70% stake in. It also expropriated ConocoPhillips’ 40% shareholdings, which has not been paid yet.

Likewise, PDVSA offered Rosneft 10% of a project developed to extract the extra-heavy oil from the Orinoco Oil Belt.

If the transactions go through, Chevron would be affected negatively, as it would be associating with Rosneft, a company that faces sanctions imposed by the United States.

Venezuela has also reportedly been talking to a Japanese investment bank to try to obtain fresh funds.

Venezuela managed to pay US$ 725 million in overdue debt last month, but with difficulty, as it came 30 days late.

Tags: assets, debt, latam, maduro, oil and gas, venezuela
Posted in LatAm, Macro Economics, Macro Economics

 

Advertisements

O Impasse Entre o Povo e Poder

ManifestacaoRua2016Depois de ter passado quase um mês no Brasil, vale tentar algumas reflexões que seguem na forma de 25 pontos mais ou menos interconectados:

  1. O pais enfrenta vários dilemas. O principal tem a ver com a falta de coerência politica e as contradições socioeconômicas inerentes.
  2. O dilema político gira em torno de como construir a democracia num pais de extrema desigualdade e de tradição autoritária.
  3. O problema econômico tem a ver com o papel do Estado e até que ponto que devesse ter um “mercado livre”.
  4. Decorrente da estrutura econômica, tem-se o problema social de acesso aos bens tradicionalmente públicos: educação, saúde, segurança, saneamento básico.
  5. A interpretação e a proposta de soluções para os dilemas infelizmente não são objetivas, mas passam por um filtro ideológico que pode ser descrito a grosso modo direita x esquerda.
  6. A esquerda enfatiza desigualdade, redistribuição e luta de classe.
  7. A direita enfoca a ineficiência de um estado burocrático e corrupto e intervencionista.
  8. Os demônios da esquerda são os grandes capitalistas principalmente do setor financeiro.
  9. Os demônios da direita são os corruptos e aqueles que querem ampliar a presença do estado e que questionam a propriedade privada.
  10. Há uma grande separação entre os políticos e o publico ou a sociedade civil.
  11. Apesar da separação os mesmos políticos são tradicionalmente reconduzidos para os mesmos postos eleição após eleição.
  12. O governo Temer é uma aberração e falta legitimidade. Apenas uma minoria que votou na chapa Dilma/Temer estava pensando na possibilidade sucessória.
  13. Apesar de sua falta de popularidade nas ruas, o Presidente Temer esta conseguindo êxito no Congresso onde já passou uma emenda constitucional que limita os gastos do governo e existe a possibilidade de passar uma reforma na previdência.
  14. Ciente do “disconnect” entre a presidência e a população, Temer e o grupo de elite de seu entorno, conseguem desprezar o “povo” possibilitando a manipulação das investigações do Lava Jato e semelhantes.
  15. A mobilização e manifestações de rua são importantes, mas insuficientes para mudar o quadro de impasse politico e econômico por que a luta contra corrupção ataca apenas os sintomas e não as causas.
  16. As eleições são fundamentais para o processo de aprendizagem democrática, mas sem uma reforma politica visando redução do numero de partidos, voto distrital, e reorganização do financiamento politico o processo de construção será sempre lento e incompleto.
  17. As reformas necessárias não interessam a classe politica.
  18. Tanto a direita quanto a esquerda reclamam que o povo não sabe votar mas perpetua-se o sistema propositalmente através pauperização do ensino básico e através da falta de outros serviços básicos para a população pobre ou seja a grande maioria dos eleitores.
  19. Enfim, o Brasil permanece um pais para as elites apesar dos passos construtivos.
  20. A antecipação de demandas sociais e econômicas como forma cooptacao é uma herança histórica que criou privilégios e benefícios que quando defendidos acabam pesando e atrasando o progresso social que supostamente representam.
  21. A “esquerda” no poder (2002-2016) perdeu o rumo num projeto de se perpetuar no poder.
  22. A volta da “direita” ao poder não significa necessariamente a derrota do popular, mas, em vez disso, um retorno ao passado populista com falsos acenos, estagnação e inflação.
  23. Se o Brasil não resolver o problema politico do papel do Estado é possível e até provável que o pais não crescera economicamente e a crise social acabara perdurando por longos anos.
  24. Falta no Brasil novas lideranças e novas ideias que possam libertar as forcas produtivas inerentes num pais extremamente rico em todo tipo de recurso naturais e humanos.
  25. As novas ideias terão que levar em conta algum tipo de novo equilíbrio entre o estado e o mercado provavelmente com ampliação da participação politica através de partidos políticos mais ideológicos e coerentes. Falta muito a construir.