Reflecting in Tumult: Brazil’s Democracy and Election

Screen Shot 2018-09-29 at 21.56.28

Forty years ago this month, I had recently moved from Brazil to LA to start my doctoral program at UCLA’s Department of Sociology.  My scholarship from my employer, the Fundacao Joao Pinheiro, was modest but enough.  General Ernesto Geisel was the President of Brazil and the mood was for the struggle to end military rule and build democracy in Brazil.  Jimmy Carter, a former farmer and submariner, was the President of USA and the Shah of Iran had been overthrown and replaced by Ayatollah Khomeini.  Communism was still seen an imminent threat.

In the fall of 2018, Brazilians appear disappointed by their government and more importantly feel betrayed by the limitations and the results of Brazil’s democratic experience.  Fernando Collor’s presidency ended in impeachment, as did Dilma Roussef’s tenure. Scandals tainted Fernando Henrique Cardoso (1994-2002) and seemed to worsen during Lula’s presidency (2002 -2010) but, nonetheless, were attenuated by his economic success and his enormous popularity.  He left office in 2010 with an 80% approval rating and was able to elect his successor President Dilma.

Through these years, Brazil has regularly held elections at all levels from municipal to state to federal, political parties of all stripes have been free to form and the press although heavily dominated by economic groups has been vigorous with a very free flow of opinions and ideas.

During these 40 years, Brazil’s population nearly doubled to 210 million and GDP went from 235 billion in 1980 to about 2 trillion in 2017 and this with the lost decade of the 1980’s with it hyperinflation which only ended with Plano Real in 1994.  Lula inherited a stable currency and a favorable international environment.  His promises and delivery of growth with redistribution resonated well throughout the country.   However, his anointed successor poorly managed the economy Brazil’s economy shrank significantly with only weak signs of recovery after her exit.

Throughout these decades of change, Brazil grew but failed to deliver in basic areas of education and infrastructure especially basic sanitation.  Brazil’s schools grew in number but declined in quality.  Sewage and clean water supply did not keep up with urbanization and demographic growth.  Similarly, Brazilians gained access to an industrialized food supply chain and became somewhat healthier while becoming obese.  Coincidence or not, this is the same period that McDonald’s and other fast food chains became predominant.

Even with the drawbacks, one might think that Brazilians would be proud of their accomplishments and supportive of a hard won democratic process.  This is not exactly the case.

Back in 1978, FHC was a leftist university professor with democratic ideals and a major advocate for change in Brazil.  Lula was a union leader about to found a political movement based on the working class in alliance with intellectuals and a portion of the middle class.  Both succeeded in being elected and reelected.

So what went wrong and why is it that Brazilians no longer trust the democratic process?  Why do they now provide substantial support to a Congressman with few accomplishments but who has positioned himself as a militaristic messiah. (Indeed his middle name is Messias and he retired as an Army captain.)

Some of the answers are straightforward.

1) Brazilians have become exasperated with crime and corruption and feel that only a “strongman” can provide a quick remedy.  The captain has captured this malaise.

2) Brazilians associate the political system with crime and corruption.  With a certain imagined nostalgia for the military past which most Brazilians cannot remember as they were too young.   Many fantasize that authoritarian governments actually controlled crime and there was little or no corruption.  Here the captain promotes and projects this false memory.

3) Brazilians seek out and vote for traditional political figures whom they perceive as being able to deliver immediate benefits as patrons.  Thus perceived personal contacts are thought to be needed for access to employment, schooling and basic improvements and even social welfare programs such as bolsa familia.  The captain states that he understand popular demands and that he can deliver.

4) Newspapers, TV, radio, religious organization and social media overwhelmingly promote and reinforce traditional mores, norms and values based on deeply rooted authoritarian and paternalistic modes of behavior.  Thus the father should earn and lead, the mother should engage in domestic activities and the children should be quiet and obedient to authority.  The captain notes his manliness exemplified by his male children noting that he only “weakened” once and produce a lone daughter.

5) Nelson Rodriguez noted the Brazilian inferiority complex (vira-lata) and this lack of confidence is often replaced by the belief in a strong, paternal, authoritarian figure.  The captain projects this image even telling his running mate, a general, to shut up.

6) Corruption derives from lack of transparency and weak institutions, which fail to inhibit misbehavior.  Moreover, both causes have distant historical roots and traditions.  Authoritarian figures are forgiven if they share in ill gain spoils or seem to get things done.  Thus the saying: “rouba mas faz”.  There is evidence of malfeasance in the captain’s past but he denies it. The popular news magazine Veja just published the records of his divorce where the wife gave numerous examples of theft or fraud.  It is ironic though that she has now recanted as she is running for office using the ex-husband’s name to piggy back on his popularity.

7) All in all, top down rigid power structures in a situation of gross inequality mediated by patriarchs and bosses has created a society of interlocking interdependency.  Power, resources and favors are mediated in real and imagined personal relationships as illustrated by the tradition of the “jeitinho” as a way of attenuating unequal and skewed social relations.  Each party is expected to know and assume its place in society and this placing is defined by both subjective and objective categorizations of dress, body language, race, color, hair and a never-ending gradation of physical and psychological factors.  The captain denigrates homosexuals, blacks, feminist and those who self-identify as minorities. He proclaims they must follow the majority and “accept” their subordination.

8) The lack of access to basics: equal rights, infrastructure, and education perpetuates the system and predisposes large groups of the Brazilian populace to an authoritarian temptation where a single figure appears to embody a promise of progress, dignity and security.  His vision is separate and unequal with each group sorted by gender, race, class, religion, wealth and attainment  When this occurs, it is obvious to Brazilians that the question: “Voce sabe com quem esta falando?” makes total sense.  The captain has always been quick to play the macho, powerful, self-righteous and self-serving white man identity card.  His family basically advocates shoot the black guy first and ask questions later.

These are the factors that contribute to the success of the “myth” and justify why people are now prepared to vote for the army captain in spite of his disdain for women, his racism, his homophobia, his violence, his lack of good manners and his questionable morality.  All of the negatives can be denied because he suddenly embodies a prototype that Brazilians clearly see in themselves.  Brazilians lack power, feel impotent, want change and see the captain as embodying their desire and capable of change.  Much like the Trump supporters in the US, Brazilians can now channel their unconfessed political incorrectness for all to see without shame.

Some things don’t change even after generations.  Messianismo simply reoccurs.

 

Advertisements

Licões de Capitão

Screen Shot 2018-09-16 at 16.34.01

 

O líder das pesquisas sem Lula ficou famoso e há muitos anos vem dando lições e parece que a plateia está gostando.  As aulas são simples e aqui vão 7 resumos:

  • O homem tem que ser macho e se proteger e preservar a família contra o mal
  • Há males na sociedade como bandidos, homossexuais, feministas e comunistas
  • Para se defender a sociedade, é sobretudo os homens/machos que devem se armar e não ter medo de se defender ou mesmo atacar quando o risco está presente
  • A ditadura ou melhor os governos militares foram bem-sucedidos e contribuíram muito para o desenvolvimento do Brasil
  • O uso da violência e ate da tortura e aceitável no combate ao mal
  • Como pregam muitos evangélicos, as mulheres devem submeter-se ao homem que é a cabeça do lar.
  • Só com autoridade, respaldado pela Forcas Armadas é que se pode combater o mal

A representação que o candidato da direita apresenta é de um homem de bem, um homem forte, um homem decidido, patriota e cristão que supostamente tem um passado sem maculas e que não faz parte da política corrupta tradicional.

O problema que vejo não é o “candidato capitão” em si.  O problema maior, que as pessoas, em sua maioria, não quer admitir, é que as lições do Capitão refletem muito bem a essência da sociedade brasileira no momento.  O ambiente é de medo, de pavor, da busca do bem e da busca de soluções imediatas.  O momento também é descrença, de ceticismo e de desespero.  Essa conjunção abre um amplo caminho apos mais de 30 anos de redemocratização, 16 anos de PT e 8 anos de democracia social do PSDB. Desses anos todos a interpretação fácil e aparente é que a democracia só resultou em corrupção e benefícios para uma elite política desacreditada e descomprometida com a realidade do dia a dia da população.  Pelo menos desde a eleição do Fernando Henrique Cardoso e depois do Lula e da Dilma a percepção é que nem centro esquerda e nem esquerda foram capazes de resolver as questões básicas de emprego, educação, saneamento básico e saúde.  Só se escuta que o pais foi saqueado, que nada funciona como deve e que não ha solução fora de um figurão forte.

Assim, o problema então não é o capitão em si.  O problema maior reside na sociedade que não tem mais paciência com o processo democrático e suas falhas e prefere aceitar os valores autoritários como alternativa dos valores liberais.

Diz a direita, que o PT e os partidos de esquerda querem implantar um regime comunista sem direitos individuais e com o controle do estado sob os meios de produção.  Diz a direita que a esquerda quer promover a ideologia de gênero, o homossexualismo, a liberação do aborto e a destruição do lar com mulheres que não respeitam os maridos e que valorizam seus próprios interesses acima dos interesses da família liderado pelo patriarca.  Diz a direita que os esquerdistas querem pedofilia e não a pedagogia tradicional.  Assim fala a direita e encontra grande ressonância com suas afirmações fantasiosas e mentirosas mas ainda engolidas.

Antes de esfaquear e talvez matar, outra vez, o capitão de forma figurativa, seria bom olhar o nível de crença e evolução da sociedade.  A eleição de uma chapa de oficiais reformados, ou seja, de uma dupla autoritária dará legitimidade e carta branca.   Aqueles que estariam no poder dificilmente vão aceitar as normas de convivência da sociedade liberal.  Eles estão mais aptos para apenas atacar aquilo que definem como o mal.  Quem não aceitar as novas regras terá que calar e consentir ou sair.  Em todo lugar, onde existem governos militares e/ou autoritários mesmo eleitos, a solução passa pelo ataque aos inimigos.  Infelizmente, a memória é curta.  As pessoas não lembram dos desaparecimentos, das perseguições, da censura, do medo e do controle arbitrário imposto pelos militares e seus fieis servidores civis.  Portanto a solução oferecida apenas engana sem resolver.

Às vezes, se progride e depois vem um retrocesso.  Por exemplo, Lula saiu do governo em 2010 com aprovação de 80% do povo.  E agora esta na prisão com uma taxa de rejeição em torno de 40%.  Muitos que adoravam Lula endeusam hoje o “mito”.  O Brasil com o PT entrou no retrocesso, mas a eleição de uma fantasia da direita não tem probabilidade de corrigir os problemas e se “endireitar” algo vai criar novos problemas e ate mais anarquia.

Tinha-se a ideia que o Brasil estava decolando economicamente e tornaria um pais democrático com mercado funcionando em harmonia com empresas estatais.  A partir da Dilma e especialmente seu segundo mandato, ruiu tudo.  Hoje não existe uma crença consolidada da possibilidade de uma politica democrática no Brasil e com isso o pais apela mais uma vez para seu passado autoritário.  E talvez pior, não há vontade entre os candidatos de qualquer lado de definir o modelo econômico que poderia ajudar na busca da democracia.

Muitos fecham os olhos, mesmo sabendo, que as ditaduras são arbitrarias e só funcionam em beneficio daqueles com acesso direto ao poder.  Mas como a ilusão é parte essencial da vida vamos as eleições.

 

Fogo Amigo: Comentarios

Aqui vai uns comentarios de meus amigos Laerte e Marcia, brasileiros recem chegados aqui nos EUA.  Tratam do meu ultimo blog de 8 de setembro logo apos o incendio e o ataque a faca.

https://allabroadconsulting.wordpress.com/2018/09/08/bala-fogo-faca-e-acomodacao-o-choro-e-livre/

Steve, comentários após conversa com o Laerte.

O texto é bastante emotivo e acho que reflete o sentimento de frustração de alguém que é de fora, mas ao mesmo tempo é tanto ou mais brasileiro do que muitos de nós.

O que está acontecendo no Brasil merece uma análise um pouco mais profunda do que classificar os brasileiros entre cordiais e não cordiais. O nosso país é uma grande mistura, sempre foi. A criminalidade está avançando, é verdade, mas não é apenas no Brasil. Todos os países da América do Sul e América Central estão sendo tomados por uma onda de violência absurda. Gangues e o tráfico de drogas estão por trás disso e o buraco é bem mais abaixo do que podemos ver – esse grande poder econômico está financiando os políticos e os governos e isso me parece um caminho sem volta. Eu não costumo ser pessimista, mas acho que eles vão tomar tudo. E os Estados Unidos que se cuidem.

Eu tomaria um pouco de cuidado com os termos superlativos (marquei no texto em amarelo) do tipo “nunca”; “inúteis”.

Acho que você tem toda razão quando diz que falta responsabilidade e podia explorar um pouco melhor esse ponto. Eu acompanho governo federal desde 1990. Participei de um programa de saneamento que foi super eficaz (conseguimos gastar os 500 milhões de dólares financiados pelo BID) em 215 obras de sistemas de esgoto pelo Brasil – foi um sucesso como modelo gerencial. Mas, e daí? as coisas não continuam. O assunto é entregue a políticos, a partidos que querem apenas usar o dinheiro em benefício próprio – nomear os companheiros e desviar. Essa tem sido a regra. O governo FHC também fazia, mas com um pouco mais de pudor…. escolhia certas áreas e entregava. Outras não. Deu no que deu: são já décadas de descaso com o saneamento, educação, saúde, segurança. Desses, acho que o assunto segurança é mais complexo porque vai além da gestão. É guerra velada. Eu vejo um modelo como responsável muito mais do que culpa de quem.

A pergunta “vai mudar algo” é muito complexa de se responder… o que vai mudar, depende de muita coisa… e não vai ser no curto prazo seja lá o que nos aguarda o futuro. Eu não concordo com a sua frase de que o Brasil assiste passivo e acomodado as coisas erradas que estão acontecendo…. há movimentos da sociedade importantes que surgiram nos últimos tempos, de protestos (MBL, Vem Pra Rua), de maior transparência (Observatório Social, Transparência Brasil), e outros tantos. A questão é que eles não têm força e ainda quando ganham essa força têm seus limites. E o limite está na caneta. Quem toma as decisões são os governantes. Um bom governo, com gestão mais técnica ajudaria muito.

Sobre o não funcionamento das coisas: acho que uma parte é reflexo do que eu chamo apagão da educação, que vem apagada desde a redemocratização. Entregar a formação básica para os municípios sem que se tenha dado condições institucionais para isso foi o maior erro que o Brasil cometeu. “Ah, mas precisamos descentralizar as políticas públicas”. Tá… se você quiser que eu cuide de 5 dos seus 10 filhos pra você enquanto você viaja, vai ter que me dar uma força para arrumar camas e pagar a comida deles! Isso foi o que não aconteceu no Brasil. Os municípios estão sempre em estado de penúria. A má qualidade na educação está levando para o mercado profissionais sem qualidade e o resultado disso é que tudo tem que ser refeito ou corrigido. A produtividade despenca!

Sobre os crimes sem solução: a justiça também está corrompida e não há um “ente” que possa fiscalizá-la! Quem é que vai dizer para o Gilmar Mendes que ele não tem legitimidade para soltar os bandidos que solta? Especialmente o “Barata” (de cuja filha ele foi padrinho de casamento) – o Barata é o dono das maiores empresas de transporte urbano do Ceará e Rio de Janeiro, conhecidas pela corrupção, formação de cartel e ineficiência.

Quando vc diz que o brasileiro assiste passivo e besta você está querendo chacoalhar o brasileiro ou ofender? Como brasileira, eu te pergunto: fazer o que? só podemos votar! Vc acha que esse tipo de frase ajuda?

Sobre reinar o pessimismo: é verdade, muito disso tem a ver com a esperança que os brasileiros depositaram nos governos de esquerda e o que receberam de volta foi a realidade do que acontece por trás dos partidos políticos e suas  coligações espúrias. Há o lado bom. Graças às investigações e o noticiário, finalmente o brasileiro pode entender como funcionavam as campanhas e as negociatas, a compra de votos, a troca de favores. Eu acho que na verdade tudo isso faz parte de um processo de transformação, doloroso, mas necessário. Hoje as campanhas já são financiadas de outra maneira, por exemplo, ainda que possivelmente haja dinheiro por baixo dos panos. Temos uma lei da ficha limpa que impede que políticos condenados em 2a instância se candidatem.

Sim, o Brasil continua cordial. Mas agora, as pessoas estão assumindo de forma mais contundente suas posições políticas. E estamos num momento de grande polarização. Como a criança que cai quando começa a andar, assim é nossa democracia. Nunca se discutiu tanto política, e isso tem sido feito de forma desequilibrada porque ainda não somos uma democracia madura. Muitas pessoas ainda vão morrer, árvores vão cair, porque é necessário, porque assim foi e tem sido com o resto do mundo. O que me diz dos milhões que morreram no regime nazista? E as centenas de milhares de sírios? E os 65 milhões de refugiados?

Assim caminha a humanidade, eu incluída, com minhas imensas dúvidas e muita observação.

 

 

Bala, Fogo, Faca e Acomodação: O Choro é Livre

_103254092__103271204_hi049028384-2

Foto: Reuters

O Brasil tem uma reputação de ser o paraíso cordial. Entretanto, está complicado.  Alem de milhares de crimes e homicídios anuais, os hidrantes para combater incêndios nunca tem água.  Desde meus tempos de menino, me pareciam inúteis. Faltava e ainda falta também o básico: saneamento, segurança, saúde, escolas e mais um pouco de tudo, principalmente responsabilidade.

Era uma vez, e o país estava em construção mas perdeu o caminho.  (Será que foi culpa dos ianques imperialistas e do ano 1963 quando cheguei?  Duvido mas tem gente que acha e querem que a culpa seja dos outros.) Será que foi quando Tancredo  morreu?  Será que foi o golpe?  Ou foi culpa dos Portugueses? Será que importa?

E as tragédias da semana chocam.  Mas dai?  Vai mudar algo?  O Brasil assiste passivo e acomodado o desaparecimento das florestas, a poluição das águas, o extermínio de culturas indígenas, o roubo dos bandidos, dos políticos, dos quem podem e muitas outras desgraças.  A polícia matou 5 ou 6 rapazes dentro de um carro no Rio o ano passado e não aconteceu nada.  A vereadora do Rio foi brutalmente assassinada e seis meses depois nada.  Um meliante idiota fugiu com um carro arrastando atrás uma criança que morreu triturado e nada.  Um atirador oficial de helicóptero matou um menino de uniforme escolar e nada. Você sai na rua e separa o dinheiro para o assaltante e nada.  Você paga um condomínio alto e o elevador não funciona.  Você paga impostos e cadê os serviços.  E nada!  O museu pegou fogo…outra vez!  E nada!

Vamos pensar bem.  O brasileiro assiste passivo, besta.  Não faz nada.  Será que é covardia ou só falta de opção.

Em menos de um mês vem a eleição, quando serão escolhidos presidente, deputados federais, senadores e governadores. O foco da campanha está na presidência, mas o que importaria em termos de mudança seria o Congresso e as Assembleias.  O Congresso não vai renovar e as poucas associações locais são pulverizadas, controladas ou sem densidade e recursos.  Reina o pessimismo e não sem razão.

Quantas pessoas precisam morrer?  Quantas arvores precisam cair?  Quantas pessoas precisam tornar vitimas?

Sim, o Brasil continua cordial, em família, na turma da praia, na mesa do botequim, na torcida do time, mas não abre a boca lá fora e não perturba, senão vai ser agredido talvez só verbalmente, talvez só na gozação mas pode ser também de outra forma.  Todo cuidado é pouco.

Tranca tudo a sete chaves e não confia em ninguém.  Talvez só Jesus salva mas desconfia do Bispo.  Enfim espera a eleição passar, prepare o passaporte e mala para escapar.  Leva sua idéia do Brasil contigo que a idéia no Brasil já não existe.  Veja se lá fora melhora e assuma a responsabilidade que ninguém quer assumir no Brasil.

E boa sorte que você merece por sofrer tanto!  Mas não se acomode mais.

Nada original, mas o choro é livre enquanto a gente reconstrói a esperança que a eleição deverá celebrar.