Brazil: Muddy Waters, Green Shoots, No Flowers

rewrite_amazon-river-4

 

Everyone pretty much agrees that Brazil is going through another major crisis.  There is less agreement as to if and when the crisis will achieve some sort of resolution.  Personally in my experience in Brazil since the early 60’s, I cannot remember a time when Brazil was not in crisis.  We have an ongoing process of ebbs and flows dating back to discovery.  There are many explanations ranging from bureaucratic fatalism associated with the Portuguese crown, the geopolitical one derived from Brazil’s less favorable locational aspects, the racial one that blames Brazil’s underdevelopment on its ethnic mix, the political explanation derived from the lack of tradition in participation and voting, the economics due to lack of savings and investment, the educational narrative that notes the lack of functional literacy or the historic one that combines all of the above and more.  Each of these brings something to understanding but still the crises are never resolved and only change a bit in players and personalities.

With all of this, Brazilians remain generally optimistic, happy and compare their country in favorable terms to other places.  For most, Brazil remains the best place to be born and to live.  Even those that participate in the diaspora want to eventually return when things improve.  So how do we reconcile this contradiction?  In spite of violence, mayhem, disorganization, gross inequality, open thievery and poverty, Brazilians still affirm that life is good.  In spite of the recession, now extending to year 3 from 2015 to possibly 2018, Brazil still ranks in the top 10 economies worldwide as measured by GDP having dropped from 6 to 9 in the ranking.  Even so  wealth and wealth creating potential abound.

Amazingly to some, back some 30 plus years, Brazil was in a similar situation.  Jose Sarney (PMDB) was president, supported by Congressman Temer and his colleagues.  Formal unemployment was around 17%, the direct elections movement has lost its chance in 1985 but achieved the open elections of 1989 resulting in Fernando Collor’s election and Lula’s first presidential defeat.  Inflation was higher than that Venezuela’s is now topping 1000% per year.  Like Temer, Collor was called to the carpet on accusations of gross corruption.  Unlike Temer, Collor had no base in Congress and was impeached.  Although Collor had more charisma than Temer, he also failed on the economic front and his different attempts at controlling inflation are remembered with contempt and derision.  Collor’s impeachment in 1992 placed his VP Itamar Franco in the presidency and led to Fernando Henrique Cardoso (FHC) becoming Finance Minister and the implementation of the Plano Real.

In the subsequent elections, FHC trounced Lula two times.  But Cardoso’s second term was made possible by satisfying the venality of Congress (it had to vote a Constitutional amendment allowing a second term).  While the Congressional penchant for the buy off had long existed and had been condoned by the military governments and greatly enhanced by Sarney, FHC also drank from the tainted cup of expediency and now stands accused of having committed the original sin.  In this Cardoso just followed the long tradition of what he has described as “A Arte da Politica” but it is really the dirty business of sausage making, (now “nobly” carried on by JBS, the world’s largest meat processor, thanks to the generosity of Lula, Dilma and the national champion policy which started back with the military governments.)

Things change but remain the same. What goes around comes around.  Can Brazil break the cycle of miracle years followed by crisis.  Can it the country go beyond boom and bust?  My answer is an optimistic yes.  And here is my prediction, no matter how foolhardy.  Today’s Congressional vote allows Temer to survive until the 2018 elections.  The field in 2018 will include the new and the old.  Most likely, the old will win.  It could be Lula if he is not in jail or it could even be the rightist Bolsonaro the messianic ex-military Congressman who sings the praises the military and disdains minorities.  It really does not matter in the long run.  The important fact is to hold the election, gradually renew Congress, put up with whoever is elected and gradually reconstruct civil society based on meeting basic social demands in education, health, and basic sanitation.

This Congress has decided to protect itself by protecting Temer.  The President, in turn, has promised reforms and continues with in their pursuit to maintain a bit of legitimacy bestowed by the market, if no one else.  Given the horse trading that has taken place in order to keep power, it is likely that any further reforms will be more symbolic than real.  The government has already gone beyond its spending cap for this year and now is raising taxes.  Temer will end his mandate as one of Brazil’s most unpopular figures.  Clearly he desires power, is venal and shameless in his own perpetuation.  Still, there no immediate obvious better alternative.  Dilma’s impeachment solved nothing and further surrendered power to corrupt politicians.  Her one virtue was that she allowed and did not block investigations.  Temer has less personal virtue but certainly is a better political wheeler and dealer.  On the positive side though his administration at least opened space for social security, labor and spending reforms.  To all but the most obtuse, there is recognition for this need.  Delfim Neto, now the ranking academic conservative economist is not optimistic but suggests that the “least bad solution” is to let Temer “end his mission and postpone the proceedings” until there is a new administration in place on Jan. 1, 2019.

Brazil continues it herky-jerky halting progress.  In spite of the poor governance, things will gradually improve but the rate will depend heavily on how and if people decide to get involved.  The opportunities are many in civil society and even in the political realm as Temer and cohorts eventually die off.

 

Como matar a borboleta-azul: Uma crônica da era Dilma de Monica Baumgarten de Bolle, Comentarios de All Abroad Consulting-Steve Scheibe

como_matar_a_borboletaazul_1474318505612400sk1474318505b

Acabo de ler o novo livro de Monica de Bolle.  Monica é pesquisadora senior do Peterson Institute for International Economics vinculado a John Hopkins University.  Ela também traduziu a edição brasileira do livro Capital de Thomas Piketty.  Ademais escreve blogs e colunas, enfim uma economista que publica bastante, sendo bem visível na mídia social.  Enfim, a autora reúne experiência e competência.  Recentemente, surgiram comentários na mídia que ela poderia integrar o Ministério (Planejamento?) do Presidente Temer.

Borboleta é um resumo dos anos Dilma, principalmente os erros econômicos (e em menor grau) políticos do segundo mandato.  Como uma pessoa muito bem lida, Monica conta a historia usando analogias e paralelos literários.  Assim a destruição da borboleta azul [1] representa a metáfora do período final do governo PT no poder.

Como Monica de Bolle vem acompanhando de perto (mesmo em Washington) a economia brasileira, ela usou blogs e artigos publicados como a espinha dorsal do livro.  Olhando a sequencia dos artigos que ela integra bem no livro, pode-se ver que ela já enxergava onde a economia iria chegar e as consequências politicas para a Presidente Dilma.  Um desastre pré-anunciado.

A autora enfatiza que Borboleta não é um tratado econômico “repleto de gráficos”, mas sua apresentação de uma historia cujo determinante fundamental foi a insistência da governante em não reconhecer seus erros e falhas inerentes em sua visão econômica e também politica.  Enfim, de acordo com a autora, a Presidente Dilma não foi inteligente e insistia em executar as regras da estupidez humana, na expectativa de obter um resultado diferente através repetição insistente das mesmas medidas que estavam dando errado.

Às vezes, para o leigo, e difícil distinguir com precisão as escolas e as matrizes que guiam um economista acadêmico como Monica de Bolle.  Creio, contudo, que se a grosso modo separamos ortodoxos e heterodoxos, Monica se situa no campo do liberalismo tradicional onde o mercado deve ser o determinante principal e não o estado intervencionista.  A Presidente Dilma, é claro, está no lado fazendo parte daqueles que desconfiam do mercado principalmente na situação de um pais em desenvolvimento e com um elevado grau de dependência de fatores externos.  Então, a grosso modo, Monica insiste em criticar Dilma por suas intervenções equivocadas enquanto que Dilma diz que está (ou estava) defendendo o pais e os menos favorecidos e marginalizados, que conquistaram um novo espaço com as medidas econômicas e sociais implementadas pelo governo do Lula e continuadas por ela.  Crise na opinião dela não seria por sua culpa, mas provocados pelas forcas retrogradas no Brasil, principalmente os financistas e rentistas e também pela crise do capitalismo mundo a fora.

Assim enquanto os ortodoxos pregavam austeridade, Dilma, Manteiga, e Nelson Barbosa promoviam a nova Matriz Econômica que visava a implementação de medidas anticíclicas de origem, a meu ver, Keynesiana.  Monica de Bolle não perdoa o que ela vê como prepotência da Presidenta.  Dilma depois de reeleita e mesmo com um Joaquim Levy na Fazenda insiste em uma politica fiscal insustentável e que resulta nas “pedaladas” fiscais, que eventualmente foram a justificativa, prima face, de sua degola.

Monica mostra passo a passo ao longo dos capítulos os anos 2011 até o impeachment em 2016, onde a triste figura de uma “Presidenta” se perde a partir da crise americana e europeia de 2008, que segundo Lula, tratava-se de uma “marolinha” no Brasil.  Ela e seu fiel escudeiro Ministro Mantega procuraram utilizar todas as alavancas para lidar com o fim do modelo Lulista, e também dos impactos do QE (quantitative easing) americano, do impacto na inflação, dos juros, das reservas, dos investimentos/poupança e da politica fiscal.  Mexe aqui, mexe ali e a economia continua encolhendo ate chegar a atual recessão e o quase inevitável impeachment.  De acordo com a avaliação no seu livro, Dilma, Mantega, Trombini e por Nelson Barbosa não acertaram nenhuma.

Embora o livro de Monica seja para o publico geral, não achei a leitura assim tão fácil já que ela introduz termos técnicos como dominância fiscal, erros de macro prudência e razoes de variação cambial.  Não são exatamente termos de fácil compreensão principalmente na forma que inter-relacionam.

As criticas à Dilma e seus (des) governos são diretas e sempre com embasamento nos resultados produzidos.   O governo da Dilma não teve uma politica econômica coerente e faltou habilidade em lidar com o Congresso e partidos políticos.  Ela interviu demais, descontrolando os indicadores e sinais do mercado. Por isto, ela acabou inspirando desconfiança, e como politica, foi antipática e teimosa, conseguindo desagradar gregos e troianos inclusive no seu PT.

Ate aí, tudo bem e representa o consenso pôs impeachment.  Mas a questão que emerge e que precisa de resposta é a seguinte:

Além do receituário liberal (austeridade, controle de gastos, menor intervenção, menos burocracia), o que faltou? No Brasil, o peso da cultura e do estado gigantesco nunca deixou os liberais a vontade.   Está surgindo no Brasil um vetor libertário, mas é´ algo meio estranho no contexto.  O Movimento Brasil Livre (MBL) e afins parecem mais uma minoria contestadora, querendo acabar com a corrupção, do que um movimento a favor do livre mercado.  Estes grupos parecem mais modismos vindos de fora, e não constituem um partido e/ou forma durável de representação.

Sucesso politico no Brasil depende tradicionalmente de populismo, e com políticos populistas no poder é praticamente impossível adotar as soluções de mercado que os ortodoxos como a Monica advogam.  O problema de desenvolvimento no Brasil acaba sendo não um problema de soltar o mercado e seus mecanismos, mas em resolver o quebra cabeça politico para poder soltar as chamadas forcas produtivas.  Mas as instituições são fracas, os partidos são veículos de promoção individual, ou apenas agrupamentos que buscam ganhos próprios e individuais ao modo do PMDB.  O PT em seus documentos e cartas seria um belo partido socialista, mas as ações individuais de seus principais membros denunciam qualquer feição socialista em nome do avanço individual encoberto em uma retorica social.

Mas a questão não é só´ político-econômica.  Recentemente, um outro economista, Alexandre Rands Barros, lançou o livro Roots of Brazilian Economic Backwardness (Elsevier, 2016) publicado em inglês.  Este sim é um tratado cheio de gráficos e tabelas, podendo assustar até os experts.  Mas basicamente Barros argumenta, diferente de Monica, que o atraso relativo do Brasil vem do problema histórico de formação de capital humano.  Quer dizer que mesmo se o Brasil operasse de acordo com as expectativas de economistas ortodoxos, ainda assim estaria atrasado.

Creio que o argumento de Barros não é novo e estudiosos como Claudio de Moura Castro e Simon Schwartzman, entre outros, tem pautado no mesmo sentido.

Sem entrar nos méritos acadêmicos, o que me parece interessante e misterioso no Brasil, é tentar entender como uma sociedade, com a herança de escravidão, racismo, corrupção, desigualdade, ignorância cultivada, elites distantes e arrogantes e um povo sofrido ainda consegue existir.  Como é que o Brasil ainda não entrou numa guerra civil aberta?  O que é o super-bond que segura?  Apesar do estado e sociedade em situação de falência, o Brasil ainda possui uma atração como um lugar que encanta pela beleza do povo, pela cultura, pelo potencial e até, pasmem, pela cordialidade.  O povo ainda se declara otimista e feliz.  Como? Por que?

Monica de Bolle, economista ilustre e excelente contadora de casos talvez esteja trabalhando numa historia ou conto, com final feliz, que venha a ajudar esclarecer o mistério.  Assim espero.

[1] Quando cheguei ao Brasil no inicio da década de 60, a bandeja com as asas encrustadas era um “souvenir” de praxe e demonstrava a abundancia do “exótico”.

In with the Old

republica-velha-1

Institutional gymnastics in Brazil deserve a gold medal. Politicians orchestrated a slick maneuver that led to President Dilma’s impeachment but saved her, at least temporarily, from the loss of the right to hold political office in spite what the Constitution mandates. This bit of political chicanery orchestrated by Renan Calheiros, the Workers Party (PT) and Supreme Court Justice Lewandowski, and likely sanctioned by President Temer, amply illustrates the permanence of Brazil’s political culture of accommodation and innovation through the use of the “jeitinho”.  The move further weakens respect for the Constitution, the Supreme Court and the overall political process.  In the end, it means institutional degradation and for anyone looking from the outside in, they can only scratch their head and wonder if Brazil will ever have rules that apply in a universal fashion.  If you are a foreign investor thinking about playing in this trillion-dollar market, what is your impression?

The impeachment (with attenuation) raises basic questions that demand answers: Is Brazil’s culture perverted in such a way that institutions cannot solidify and function? For how long will the Brazilian political body be subject to the whims and wiles of manipulative and astute members of the political elite?  Why do the major economic players condone and acquiesce in such ad-hoc maneuvering?  What is necessary for institutional stability and growth?

The short answer goes back to Brazil’s historical heritage, the weight of slavery and patrimonialism. Brazilians are aware of and frustrated by contemporary anecdotes about the difficulty of encountering the promised future.  Some say that Brazil needs another 500 years to shake off the elitist centralization inherited from the Portuguese crown plus another plus another 500 years to remediate the sins of the world’s most intense slave trade.  In 1800, slaves made up more than half of Brazil’s population and Brazil still has the largest share of African blood in the Western world.  Paradoxically, miscegenation, partially driven by demographics, led both to the myth of racial democracy but also reaffirmed Brazil’s unequal distribution of power and property based on racism.  “White” society prevailed over the many gradations of darker and poorer.  Brazil took its time in abolishing slavery (1888) and even by the end of the Empire (1889), suffrage in the newly proclaimed Republic favored the rural based patrimonial elites who could control “their” people and guide the limited suffrage that would come into place.  Illiterates were barred from voting and education was restricted, thus favoring the status quo.

From the abolition of slavery and the Republic to the present day, the vestiges of the system remain in place.  Even the shift of population from 90% rural in the 19th century to 90% urban in the 21st has only slowly, extremely slowly, begun to reverse this inheritance.  Brazil remains stubbornly unequal in education, income and the distribution of power and participation. This unevenness can be seen along the racial spectrum from white to black, rich to poor, the privileged to the destitute, from those who live in hillside favelas to those with beach-front homes.

Even as Brazil industrialized, urbanized and made great strides in wealth generation and economic opportunity, social advancement remained highly dependent knowing the right people.  Brazilians always have had to value what is called a high IQ or in Portuguese, Quem Indica – Who do you know?  Years ago, young women aspired to marrying a functionary of the Bank of Brazil and today young people are still avid seekers of employment in the public sector and preferentially to a post based on personal referral.

Since the 1930’s and even before, economic development has been state led.  Those with political power and those able to create economic surplus looked to the government for investments, loans, incentives, protection, and the benefits to be derived from positions and sinecures in state run enterprises.

With power and resources, those in government treated society and the population in a paternal and/or populist manner. Look at how members of Congress members of the president’s administration behave. Their policies and favors are for friends and family.  Although society and the economy have grown in sophistication and complexity, the political system remains largely traditional.  It is and always has been the duty of the governing to anticipate, control and genuflect toward popular demands.  In Brazil, the government has a long history of signaling and promoting social and economic benefits.  Thus today’s labor code (CLT) with its roots in the Estado Novo dictatorship provides Brazilian workers with the benefits of European social democracies before these were actually demanded and negotiated in a political struggle.  Cooptation and control prevailed over political mobilization and the winning of rights through active political participation.

While Brazil is a capitalist economy, nothing gets done without the government.  Statist ideology, state capitalism, state control and intervention are all too present.  Brazil needs to decide the role of the state in the 21st century economy.  Dilma was ejected because the state fell down on its ability to perform and coopt.  The new President promises changes and is trying to promote a more traditional style of capitalism with competition, rules, private property and the right to profit.  However, the current system is stacked against this.  And while, the Worker’s Party has expanded the state as an employer since 2003, this tradition started much earlier with entrenched interests in the state with its tentacles in all sectors is difficult to budge.  Politicians don’t want to change as they can allocate resources in the form of jobs and benefits.  Those on the receiving end or even potentially on the verge of power also lack incentive to change.

Economic complexity, a population of 210 million, a GDP that has shrunk to less than 2 trillion, societal diversity and increasing yet still poor levels of education are all factors demanding a new model.  Not much will happen with President Temer.  He has only one bullet and that is to somehow revive the economy and this will be a challenge.  Moreover, his term is too short and if he tries to run for reelection in 2018, that act will trigger another crisis.  Brazil needs to find leadership but the population also needs to decide on a future where the state has a greatly reduced role in collecting and allocating resources.  Because this will involve pension reform, tax reform, privatization, de-bureaucratization, losses of access to easy jobs and privileges, the process can only take place over a long time frame.

It remains to be seen if the old can survive until the future arrives.

Urucubaca, Systems and the Brazil Problem

frase-voces-nao-sabem-o-que-e-urucubaca-luiz-inacio-lula-da-silva-130058

Urucubaca is a wonderful word often use in Brazil. Sometimes it is just a lack of luck but it also implies the existence of an evil eye and the casting of a spell. The solution is to be cleansed and pay tribute to otherworldly figures.

Brazil’s current situation might represent the lack of luck. President Dilma is in New York paying her tributes, anxious to escape impeachment. If she could only bring the Orixas and other gods to her rescue, she might have a chance but…the spell she suffers under is a heavy one and it looks like her urucubaca may be too strong.

While she is out of the country, Brazil continues to suffer. Yesterday, April 21, a holiday for getting to the beach and relaxing, the beautiful cliff hanging new bike path connecting Leblon to Sao Conrado collapsed in a high tide with strong waves. At least 2 people were killed and others were injured. The “ciclovia”, described by mayor Eduardo Paes, as the most beautiful in the world was suppose to be another showcase of Rio’s readiness to host the Olympics.

Today in Sao Paulo, another building collapsed and killed at least one person. More urucubaca.

The problem however goes beyond bad luck and, in reality, is systemic. Brazil has a long-standing aspiration to world-class status. The World Cup, the Olympics and 2010 Economist cover were all supposed to be indicators of the country’s success in achieving that goal. Like construction projects that sometimes fail, the aspiration has crashed and the country is keenly aware of the distance it must travel from its current reality and its future as a relevant power. Instead the system languishes and declines and Brazil moves from dream to nightmare.

In the rush to succeed, many have cut corners and resorted to the famous or perhaps infamous “jeitinho”. Brazilians have always been good at improvising and while they love to plan, the need to get, achieve, gain, win and take advantage has put to waste the good intentions. Instead of speaking of the “Brasil maravilha” (wonderful Brazil), the feeling is not even a miracle can provide respite.

The news today in Rio reports a close association between the mayor and the builder of the collapsed bike path. In technical competence and experience, Brazilians know better and have a long, solid and indeed outstanding record in building reinforced concrete structures. There is great pride in its stadiums, in Brasilia, in the Rio-Niteroi Bridge and basically anywhere you find Niemeyer project or a Brazilian engineer or architect. But the mixture of tradition, personal relationships, opportunity, greed, cronyism and closed door back slapping have deepened and entrenched a long standing practice of illicit innovation associated with outright corruption.

Now, it seems that outright avarice has penetrated too deeply. Jacques Warner, Dilma’s former chief of staff once commented, to the effect, that those who had never previously tasted honey, when they do so for the first time get sticky fingers. Perhaps the comment was a Freudian slip or made in a careless fashion but it can be taken to reflect disgust and disappointment with how the PT took over the State apparatus to its private advantage. The State no longer provides minimum basic services in health, education and security but instead has become the source of income for interests that have taken over its mechanisms. Bribes get approvals and the consequences are readily apparent. Things collapse and not only physical structures.

President Dilma rails against the coup. She affirms her personal uprightness but she has allowed and turned a blind eye to all of the malfeasance at the top and we see the results. In quality control, the term “stacking of tolerances” is used to illustrate how minimum errors can lead to major mistakes. Dilma has allowed the slippage to accumulate to a point that she can no longer control.   While it is not clear what technical errors resulted in the tragic deaths on the collapsed bike path, it is transparent that President has failed. She refuses, as does her party, to take responsibility for the crimes, mistakes and errors that have happened on her watch. Thus, she reaps the consequences of impeachment, in spite of no direct proven personal criminal activity on her part. Simultaneously, people suffer and die with the collapse of Brazil’s physical, political and management structures and systems. Urucubaca indeed!

Teotihuacan, Mexico e Brasil

IMG_1072

Acabo de chegar do México e como mostra a foto tive a oportunidade de escalar as Pirâmides do Sol e da Lua. São monumentos que testemunham a civilização pré-colombiana e ao mesmo tempo lembram do ocaso e declínio. No topo, onde piso na foto foi local de sacrifícios. Os sacerdotes arrancavam o coração e outra partes do corpo de guerreiros conquistados na tentativa de agradar os deuses.

Pisando no México, não podemos deixar de fazer comparações com o Brasil e o momento brasileiro me parece que tem uma mistura de antropofagia e sacrifício. Ha agora uma espécie de corrida para entregar e sacrificar. As delações tomaram um ritmo próprio e não ha um freio ate que chegue a um fim que ainda falta definir.

Não acreditava no impeachment da Dilma, mas a partir de hoje já temos sua renuncia branca em favor do Lula. Lula, por sua vez, assume um ministério, segundo a oposição para safar da justiça, ou de acordo com sua própria justificativa para defender as conquista sociais que sustentaram sua popularidade durante dois mandatos. Como em tudo uma mistura de justificativas “lógicas”.

Talvez não convém entender o momento no Brasil. Os fatos, as surpresas, e as interpretações estão chegando com uma rapidez que vamos precisar de muito tempo para desenroscar. Só nas últimas 3 semanas, passamos por 3 Ministros de Justiça e parece me que o Nelson Barbosa não vai emplacar nem um semestre como Ministro de Fazenda.

Se Dilma sair ou se Lula for preso, temos que esperar para ver. Sou totalmente contra uma ruptura institucional ou qualquer solução casuística. E’ muitas vezes preferível para as instituições e a nação que cheguemos as eleições de 2018. Entretanto, se houver uma mudança antes, a mudança tem que respeitar o processo legal baseado na Constituição sem as soluções nefastas que os militares e civis golpistas impuseram em 1964. Não enxergo,como o PT, uma nefasta e vasta conspiração de golpista “pero que hay brujas las hay”.  Todo cuidado e’ pouco.

Economicamente e talvez socialmente, o México no momento esta’ conseguindo superar seu passado um pouco melhor do que o Brasil. O Presidente Enrique Pena Nieto não e’ popular mas tem bem mais respaldo do que a Dilma. A economia, embora dependente da economia americana, avança ao poucos mas o México já supera o Brasil em quase todos os indicadores econômicos e sociais.   É’ curioso o vai e vem das duas maiores economias da America Latina. Todavia, `a Pena Neto falta legitimidade e forca da sociedade civil para enfrentar os narcos e crime organizado. Embora a recaptura de El Chapo ajudou um pouco, os cartéis dominam áreas significativas e seus tentáculos afetam muitos locais no interior e ate’ na Cidade do México. Grave também, Pena Nieto não consegue ou não quer desvendar o caso da chacina dos estudantes. Falando em chacina, fiz questão de passar em Tlalteloco para lembrar o massacre de 68 quando na véspera das Olimpíadas o governo Mexicano massacrou dezenas de estudantes e civis e depois tentou, sem êxito, encobrir o evento.

Graças a Deus, o Brasil normalmente não tem tantos assassinatos num só dia igual aos perpetuados pelos soldados mexicanos em 68 mas vejo que o Beltrame esta reforçando o policiamento no Rio diante o aumento de crime na rua. O resultado será a continuidade de fins de semana com invasões nas favelas e o recolhimento de cadáveres e vitimas. Brasil, Rio e São Paulo são geralmente mais violentos do que a Cidade do México embora quando as gangues mexicanas organizadas querem matar não tem receio de usar requintes de tortura e matar em grandes números. Todavia isso não acontece no Brasil. O que dizer: um empate. Esperamos que antes ou durante as Olimpíadas não ocorre nenhum desastre, principalmente provocado pela forcas do Estado. E’ a primeira vez que as Olimpíadas são realizadas na America Latina depois de 1968.   Será que o México estava melhor preparado ha 48 anos atrás? Ou o mundo mudou?

Fora um relativo equilíbrio na violência, México esta com um quadro institucional um pouco mais estável. Ha escândalos mas são menos “calientes” comparado com o Brasil. Talvez porque a justiça brasileira conseguiu gradativamente em algumas áreas um quadro de profissionais respaldados pela lei e pelo respeito aos procedimentos legais. A imprensa também embora dominados pelos grandes monopólios da mídia brasileira e’ ainda mais independente e menos intimidado do que a Mexicana. Matam mais jornalistas no México todo ano do que em 10 anos no Brasil.

America Latina, Brasil e México regiões de tantas aspirações e tanta possibilidade continuam aquém da expectativa. Adianta culpar as elites? Resolve algo culpando o capital e os banqueiros. Deve-se acusar a classe media? E’ a falta de educação e cultura ou herança do passado? São os problemas geopolíticos e o imperialismo? Muito pano para manga e muitas discussões a resolver.  Mas onde esta o quadro para ações coerentes e legitimas.

Vamos conseguir entender o mistério da realidade e do misticismo, do Sebastianismo, do Lulismo? Só os grandes autores tipo Gabo conseguem desvendar? Não sei se e’ possível. O Brasil de hoje demonstra como “gênios políticos” como Lula e muitos assessores inteligentes estão acabando de se enroscar. O triste final que pinta no horizonte, talvez seja uma bela alvorada mas falta tempo e paciência para aqueles que esperam.

Erros e Acertos nas Previsoes para 2015

Chegou a hora de avaliar os erros e acertos das previsões que fiz o ano passado. Aqui esta o link para minhas “profecias”:

https://allabroadconsulting.wordpress.com/2015/01/02/previsoes-para-2015-e-a-posse-da-presidenta/

Comecei o blog dizendo: “Por mais que a gente quer uma alteração de rumo, esta difícil enxergar o que pode mudar.” Como nada mudou, alias só piorou, acertei de cara.

Abaixo também cito as palavras ou promessas da Presidenta no seu discurso de posse. Ao que parece, ela ainda não cumpriu nenhuma e a idéia do lema de pátria educadora acabou banalizado com 3 ministros em 1 ano: Gomes, Janine, e Mercadante. Nenhum teve capacidade e/ou recursos para educar ninguém.

Teci previsões quanto a economia, a Petrobras e o setor primário. No geral, acertei.

A economia passou por um ano difícil com o PIB encolhendo mais de 3 por cento. Os preços de “commodities” (petróleo, soja, minério de ferro e celulose) caíram e o setor primário exportou em US$ aproximadamente 10% a menos em 2015 comparado com 2014. A Petrobras, que não quebrou (ainda), trocou de presidente e mesmo assim o valor das ações continuou caindo. Tenho amigos no mercado que acham que a PBR esta quebrada, e realmente estaria, se não fosse o “backup” do governo que não vai deixar o maior xodó do Brasil ir a bancarrota.

Errei grosseiramente na previsão de cambio. Sendo tímido e algo confiante no Real previ a mudança de 2.70 para apenas 3.10, ligeiramente acima de 10 por cento. Hora bolas, o ano terminou com o real encostando em 4 ou uma desvalorização de 50 por cento. Se 2016 for igual ou pior a 2015 então podemos esperar o real entre 6 e 7 em dezembro. Será?

Em principio, a desvalorização do real deveria ajudar as exportações mas como o Brasil exporta hoje basicamente commodities, os preços caíram e a demanda também. A industria que perdeu, ha’ tempos, seu mercado ainda não recuperou sua produção e nem seus clientes externos. Especificamente no setor automobilístico, o México já ultrapassou o Brasil em termos de produção e produtividade. Ai a falta de avanço acaba em atrasos e encolhimento de um setor que foi importante nas exportações e que hoje vai perdendo significância. O Brasil não produz exatamente “carroças” mas a produção não e’ de vanguarda e nem de altíssima qualidade.

Falei também de protestos e movimentos de rua. Tivemos sim, mas ainda não alteraram o quadro político. Ao final do ano, a movimentação de rua pro – Dilma estava talvez numericamente maior do que anti-Dilma. O povo esta cansado e resignado.

O ano passado, literalmente “achei estranho” que ninguém das grandes empreiteira havia sido preso. De repente no meio do ano, a PF prendeu Marcelo Odebrecht e outros executivos das maiores empresas de construção do Brasil. Então estava equivocado ou certo? Mais de seis meses presos sem acusação formal e negação de habeas corpus continua me parecendo estranho. Creio também que haverá algum tipo de leniência para os grandes empresários e Dilma já esta falando de um novo PAC de construção civil.

Transcrevo aqui as promessas que Dilma fez para o primeiro semestre de 2015.

  • transformar em crime e punir com rigor os agentes públicos que enriquecem sem justificativa ou não demonstrem a origem dos seus ganhos; 2) modificar a legislação eleitoral para transformar em crime a prática de caixa 2; 3) criar uma nova espécie de ação judicial que permita o confisco dos bens adquiridos de forma ilícita ou sem comprovação; 4) alterar a legislação para agilizar o julgamento de processos envolvendo o desvio de recursos públicos; e 5) criar uma nova estrutura no Poder Judiciário que dê maior agilidade e eficiência às investigações e processos movidos contra aqueles que possuem foro privilegiado. (Fonte: discurso de posse)

Como eu previ, nada disso aconteceu e nada esta na pauta do Congresso.

Finalmente, comentei a tentativa da Dilma em se afastar do Lula na nomeação dos ministros. O principal exemplo foi o Joaquin Levy que durou um ano. O substituto, Barbosa, embora não afiliado ao PT e’ muito mais próximo ao Lula e ao ex-ministro Mantega. Enfim, Dilma começou fraca e continua fraca e sem opções. Mas o pais também se ressente de alternativas e, a não ser que apareça uma prova contundente de corrupção da Presidenta, ela continuara ate o final.

Resumindo, acertei algumas e errei outras coisa. A avaliação pelo menos faz a gente refletir um pouco, para ver se apura as observações.

Previsoes para 2015 e a Posse da Presidenta

Arriscar prever o futuro e’ divertido: com o passar do tempo podemos sorrir um pouco com os acertos e fechar a cara com os erros. O discurso da Dilma ate’ facilita pela listagem dos tópicos. Então vamos la`.

Por mais que a gente quer uma alteração de rumo, esta difícil enxergar o que pode mudar. Apesar da nova equipe econômica ter uma formação tradicional e de mercado, dificilmente vão conseguir um crescimento alem de 1 por cento em 2015. O ano, conforme a Dilma e equipe, e’ de cortes e reajustes. As nomeações políticas para as estatais também pouco prometem. Petrobras esta sob pressão do mercado, a Graça permanece, o preço de petróleo em baixo e assim vai com os demais commodities. Ate a agricultura e setor primário vão ter problemas. Dilma colocou em ultimo lugar os EUA e Europa na lista de prioridades internacionais e os BRICs e países latino americanos faltam condições próprias de sustentar as exportações brasileiras. Então previsão, inflação na meta ou acima, sem crescimento. Agricultura e a exportação de petróleo, minerais, soja e de insumos industriais tipo celulose e ferro gusa não serao suficientes para reverter o quadro. O governo precisa segurar o cambio para ajudar controlar a inflação. Já estamos próximos a 2.70 por dólar e prevejo o cambio a 3.10 ao final de dezembro de 2015.

Sem crescimento, seria natural a expectativa da volta dos protestos como tivemos em 2013. Sinceramente acredito que não. Não ha por parte da base social; sindicatos, organizações comunitárias, CEBs etc. autonomia suficiente para contestar na rua. E’ certo que podemos ter protestos locais quanto a precariedade dos serviços urbanos, especialmente transportes, mas o movimento tarifa zero não tem base fora do meio estudantil e olhe la`.

Dilma propôs educação como lema do governo. Em principio achei bacana. Todo mundo concorda que educação e’ a base de tudo. Só que a indicação do Cid Gomes como Ministro, me parece, desmente tudo. Em primeiro lugar, se e’ o lema principal por que não um ministro do PT? Não tem o quadro? Não tem a pessoa? Gomes, embora talvez tenha feito algo para educação no Ceara e’, no mínimo controvertido. Não tem partido e minha amiga, grande educadora (Adriana de Oliveira Lima) apresenta serias restrições. Mais importante, e’que Dilma disse que os recursos para o setor virão do Pré-Sal. Se a Petrobras esta em plena crise de corrupção e administração e não tem recursos para investir, como e’ que vai sair recursos no vulto da necessidade. Ainda mais com o barril de petróleo a 60 dólares e o custo de extração do Pré-Sal (em termos de custo total) próximo a esta cifra.

Falando em corrupção. A reação tradicional seria que tudo vai terminar em pizza. Não acredito. Creio que fomos alem e pessoas graúdas serão julgadas e condenadas. Entretanto, vejo também uma massa (não exatamente pizza e Dilma sancionou o Dia do Macarrão) sendo feita. Odebrecht, por exemplo, a maior empreiteira, escapou de alguma forma, de ter um executivo preso. Achei estranho. Será que tem a ver com Mariel e dinheiro em Cuba?   Quanto as outras empresas, ha gente, sim, em risco mas também ha manobras legais contestando tecnicamente a forma da Polícia Federal conduzir as investigações. Como a justiça no Brasil e’ lenta e outras coisas mais, pode ser que alguns vão escapar com condenações amenizadas e outras “premiações” a mais. Dilma prometeu para o primeiro semestre 5 medidas ou leis que o Congresso precisaria aprovar e não vejo isto acontecendo. As medidas são:

1) transformar em crime e punir com rigor os agentes públicos que enriquecem sem justificativa ou não demonstrem a origem dos seus ganhos; 2) modificar a legislação eleitoral para transformar em crime a prática de caixa 2; 3) criar uma nova espécie de ação judicial que permita o confisco dos bens adquiridos de forma ilícita ou sem comprovação; 4) alterar a legislação para agilizar o julgamento de processos envolvendo o desvio de recursos públicos; e 5) criar uma nova estrutura no Poder Judiciário que dê maior agilidade e eficiência às investigações e processos movidos contra aqueles que possuem foro privilegiado. (Fonte: discurso de posse)

O Congresso para passar tais medidas estará se ferindo na suas fontes de renda.

Os ministros escolhidos pela Dilma são de acordo com os comentaristas de sua confiança e não são mais os “olheiros” do Lula. Mas tirando a equipe econômica, não ha nenhuma indicação de mudança qualitativa nos quadros. Pela primeira vez, ministro individuais foram vaiadas pela platéia que na sua imensa maioria estava presente por gostar da Dilma. O novo Ministro de Esportes faz parte da cota evangélica mas duvido que dure ate o final do ano. Colocar o Aldo Rebelo como Ministro de Ciência e Tecnologia joga para baixo a pasta que junto com Educação seria parte do lema Pátria Educadora. Não da para entender fora de um processo precário de acomodação política.

Bom, o ano passado arrisquei previsões esportivas e me ferrei. Brasil perdeu feio. As Olimpíadas vem 2016. Para a TV será um grande sucesso. Para o Rio de Janeiro também um impulso de imagem e auto-estima mas 2015 vai ser critico em termos de andamento das obras. Vejo mais estrutura temporárias e jeitinhos. O resultado vai ser um conta grande na frente mas como na Copa a festa será ótima.

Gostaria de ver meu Galo ganhar novamente Libertadores mas não arrisco garantir.

Finalizando, mais um ano difícil como 2014 mas no fim vamos sobreviver apesar da violência, da corrupção, dos impostos em alto, das deficiências do serviço publico e de todo o rosário de coisas negativas. Enfim, as pessoas se sentem felizes por estar no Brasil.